Publicado em 22/12/2017 às 09h21.

Nilo diz que Coronel gastou mais, mas a má fama é dele

Depois de perder a eleição na Assembleia e receber a visita da PF (n0 caso do Babesp, que a Justiça o inocentou), Marcelo Nilo termina 2017 com uma queixa e uma alegria

Levi Vasconcelos

Depois de perder a eleição na Assembleia e receber a visita da PF (n0 caso do Babesp, que a Justiça o inocentou), Marcelo Nilo termina 2017 com uma queixa e uma alegria.

A queixa: Ângelo Coronel gastou mais do que ele, e tem a fama de economizador. Ele gastou menos, e é o gastador.

A alegria: 2017, o ano dos seus piores momentos, se foi.

Nilo diz que as contas do gastador e do economizador não fecham:

— Em 2015, o gasto foi de R$ 474 milhões, em 2016 foi R$ 496 milhões, R$ 22 milhões a mais. Coronel gastou este ano R$ 529 milhões, R$ 33 milhões a mais. Eu ainda peguei 2015, um ano de crise, com inflação. E agora eu sou o gastador e ele o economizador? É só para esclarecer os fatos.

 

555, o número da vaga

E por falar em Coronel, ele pautou o tititi ontem. Ao anunciar a devolução de R$ 555 mil ao governo, exibiu um checão, simbólico é claro.

O curioso da história é que Coronel, aliado do senador Otto Alencar, o presidente do PSD Bahia, é postulante ao Senado.

Como o número do partido dele é 55, caso entrasse na briga por um mandato de senador o número seria 555.

Todo mundo jura que foi de propósito.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é Jornalista político, Diretor de Jornalismo do Bahia.ba, e titular da Coluna Tempo Presente do Jornal A Tarde.

PUBLICIDADE