Publicado em 16/04/2018 às 07h20.

Otto: ‘Se o candidato da oposição fosse ACM Neto, daria mais trabalho’

Senador sugeriu que o favoritismo do governador Rui Costa (PT), que é candidato à reeleição, aumentou após o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), desistir de disputar o governo

Redação
Foto: Alexandre Galvão/ bahia.ba
Foto: Alexandre Galvão/ bahia.ba

 

O senador Otto Alencar (PSD) sugeriu, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, que o favoritismo do governador Rui Costa (PT), que é candidato à reeleição, aumentou após o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), desistir de postular o Palácio de Ondina.

“Claro que se o candidato da oposição fosse ACM Neto, daria mais trabalho. Mas nosso grupo está consolidado, vem forte. A expectativa é de vitória”, declarou o congressista, em entrevista à publicação.

Ao bahia.ba, Otto preferiu, no entanto, pregar cautela e “pés no chão”. A reportagem do diário paulista ressalta o crescimento do favoritismo do petista baiano, após a opção do prefeito ACM Neto por não renunciar ao cargo para entrar na disputa pelo governo do estado. A decisão do democrata soteropolitano implodiu a união das oposições, que já tem três novos pré-candidatos ao cargo.

O DEM lançou o nome de José Ronaldo, ex-prefeito de Feira de Santana, segunda maior cidade do estado. O PSDB quer colocar na disputa o deputado federal João Gualberto. Já o MDB lançou o nome do ex-ministro do governo Lula, João Santana.

Já Rui Costa voltará às urnas com a mesma base que garantiu a eleição em 2014, incluindo partidos como PSD, PP e PR.  O jornal ressalta, porém, que o governo do petita baiano vai encarar problemas no campo administrativo, como o incremento do número de mortes violentas entre 2014 e 2017. O avanço foi de 5,5% na Bahia.

“Será uma eleição plebiscitária e o vamos destacar os principais problemas das gestões do PT. Eles não terão facilidade”, diz o deputado federal José Carlos Aleluia (DEM).