Publicado em 20/10/2016 às 18h29.

Presidente do PT defende Wagner em secretaria do governo Rui

Governador anunciou no final de setembro que ex-ministro comandaria Fundação Luís Eduardo Magalhães, mas dirigente pede "presença maior" de Jaques Wagner na gestão

Rodrigo Aguiar
Foto: Roberto Viana/ bahia.ba
Foto: Roberto Viana / bahia.ba

 

O presidente do PT baiano, Everaldo Anunciação, expressou nesta quinta-feira (20) o desejo de alguns parlamentares, membros da direção estadual e filiados à legenda: ver o ex-governador Jaques Wagner em uma secretaria estadual.

Há um mês, Rui anunciou que Wagner comandaria a Fundação Luís Eduardo Magalhães. A nomeação, no entanto, ainda não foi feita e os dois se reuniram recentemente para discutir se este será, de fato, o destino do ex-ministro.

“Wagner poderia ter uma presença maior. Tem muito a contribuir com o governo. Mas é óbvio que essa é uma decisão dele e de Rui”, declarou o dirigente partidário ao bahia.ba.

No governo, porém, há quem defenda o contrário: colocar o ex-governador em uma função de primeira linha poderia “ofuscar” a gestão do seu atual chefe do Executivo, seu afilhado político.

Saída – Sobre a possível debanda de parlamentares do PT, Everaldo disse que não há nenhuma “manifestação concreta” na Bahia e defendeu a busca pela unidade.

“Estivemos na segunda-feira em Brasília para uma série de reuniões com correntes do PT. Claro que precisamos fazer avaliação, mas o momento não é de dividir”, afirmou.

Nos próximos dias 18 e 19 de novembro, o diretório estadual do PT se reúne com parlamentares, prefeitos e secretários, em Salvador, para um balanço das eleições municipais e discussão da conjuntura. O partido foi o que mais perdeu prefeituras na Bahia, em comparação com o pleito de 2012.