Publicado em 05/04/2017 às 08h44.

Recém-empossado, Fernando Torres ameaça sair do PSD e pode perder Sedur

Deputado reclama de falta de espaço e chegou a ser convidado por Otto a deixar o partido; Outro parlamentar ou o chefe de gabinete, José Rebouças, são cotados

Evilasio Junior
Foto: Mateus Pereira/ GOVBA
Foto: Mateus Pereira/ GOVBA

 

Empossado secretário estadual de Desenvolvimento Urbano na mais recente reforma administrativa do governador Rui Costa (PT), anunciada no fim do mês de janeiro, o deputado federal Fernando Torres (PSD) pode ser o primeiro da nova turma a perder o cargo.

Antes mesmo de assumir a Sedur, o parlamentar, vindo do DEM, cantava aos quatro ventos que estaria insatisfeito com a “falta de espaços” no PSD e deixaria o partido. Oficialmente, admite apenas que vai largar a Câmara para tentar voltar à Assembleia Legislativa em 2018. Indicado pela legenda para o primeiro escalão – após ser definido que José Rebouças seria o secretário –, Torres inicialmente baixou o tom, mas voltou a desferir críticas à sigla e não tem correspondido como gestor, na avaliação do Palácio de Ondina.

Segundo apurou o bahia.ba, outros colegas de secretariado reclamam do excesso de ausências de Fernando Torres – que recentemente teria faltado ao trabalho uma semana inteira – e da formação da sua equipe. Há quem diga que o seu gabinete está lotado de lideranças políticas de Feira de Santana – cidade onde ensaiou ser candidato a prefeito por três vezes, mas acabou por ceder o apoio –, algumas das quais sequer foram nomeadas ou não comparecem ao batente.
O secretário chegou a ser convidado pelo presidente estadual do partido, o senador Otto Alencar, a redigir uma carta de desligamento da agremiação mediante a garantia de permanência no governo. Não o fez.

Embora haja precedente de situação semelhante no próprio governo – o senador licenciado Walter Pinheiro foi efetivado secretário de Educação tão logo deixou o PT, para insatisfação até do ex-governador Jaques Wagner – a tendência hoje é de exoneração de Torres. O assunto será pauta do próximo encontro entre senador e governador, que será realizado conforme interseção na agenda de ambos.

Internamente, a expectativa é de que outro deputado federal seja o substituto, devido ao acordo para Robinson Almeida (PT) ascender ao Congresso Nacional. Nomeado chefe de gabinete da pasta, Rebouças também é cotado para, enfim, assumir a titularidade da Sedur.

PUBLICIDADE