Publicado em 13/06/2018 às 12h06.

Riacho de Santana, onde a seca persiste e incomoda

O xis da questão: as chuvas na região que deveriam vir de março a novembro não vieram

Levi Vasconcelos

O prefeito Alan Vieira (PSD), de Riacho de Santana, no Sudoeste Baiano, região de Guanambi, até pensou em fazer o São João, mas ontem estava em Salvador dizendo que está fora do forró porque o município está em estado de emergência por uma seca de mais de dois anos que não para.

— O forte lá é a pecuária de corte. Está tendo enormes prejuízos, com mortes e venda do boi magro. As plantações de subsistência de milho e feijão sucumbiram. Estamos a esta altura do ano já recorrendo a carro-pipa.

O xis da questão: as chuvas na região que deveriam vir de março a novembro não vieram. E Alan diz que não tem jeito:

— Decidi entre o forró e apertar o cinto.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.