Publicado em 09/06/2017 às 17h50.

Temer não responde perguntas da Polícia Federal

Em 12 páginas, a defesa do presidente enumera 48 razões pelas quais ele não deveria responder aos questionamentos

Redação
Foto:  Marcos Corrêa/PR
Foto: Marcos Corrêa/PR

 

O presidente Michel Temer (PMDB) informou, em petição encaminhada ao Supremo Tribunal Federal (STF) nesta sexta-feira (9), que não responderá às 82 perguntas feitas pela Polícia Federal nos autos da ação relativa à Operação Patmos, segundo informações do Globo.

O peemedebista é investigado por suspeita de corrupção passiva, obstrução da Justiça e organização criminosa. Em 12 páginas, a defesa de Temer enumera ao relator da Lava Jato na Corte, ministro Edson Fachin, 48 razões pelas quais o presidente não deveria responder aos questionamentos da PF.

“Cumpre inicialmente ponderar que, houvesse Vossa .Excelência sido o autor dos questionamentos feitos por escrito ou em colheita de depoimento oral, teria havido, com certeza, uma adequada limitação das perguntas ao objeto das investigações. Indagações de natureza pessoal e opinativa, assim como outras referentes aos relacionamentos entre terceiras pessoas ou aquelas que partem de hipóteses ou de suposições e dizem respeito a eventos futuros e incertos não teriam sido formuladas. No entanto, foram feitas e demonstram que a autoridade mais do que preocupada em esclarecer a verdade dos fatos desejou comprometer o Sr. Presidente da República com questionamentos por si só denotadores da falta de isenção e de imparcialidade por parte dos investigadores”, diz um dos trechos.

Inicialmente, as perguntas deveriam ser respondidas por Temer até a última terça-feira (6), mas o prazo foi adiado para esta sexta.