Publicado em 14/09/2018 às 21h20.

Toffoli afasta promotor que reabriu apuração sobre aeroporto ligado a Aécio

A decisão foi assinada na quarta-feira (12), antes de Toffoli assumir a presidência da Corte e no mesmo dia em que o promotor divulgou pedido de nova apuração das denúncias contra a construção do aeroporto de Cláudio (MG)

Redação
Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil
Foto: Valter Campanato/ Agência Brasil

 

Recém-empossado presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Dias Toffoli colocou entre as suas primeiras ações nesta sexta-feira (14) o afastamento de Eduardo Nepomuceno do cargo de promotor responsável pela Defesa do Patrimônio do Ministério Público (MP) de Minas Gerais.

A decisão foi assinada na quarta-feira (12), antes de Toffoli assumir a presidência da Corte e no mesmo dia em que o promotor divulgou pedido de nova apuração das denúncias contra a construção do aeroporto de Cláudio (MG), que envolvem o senador e candidato a deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG).

O aeródromo, que foi instalado dentro de uma propriedade que pertencia a parentes de Aécio, foi alvo, entre 2009 e 2015, de inquérito civil do MP que investigou denúncias de superfaturamento na construção.

As obras, concluídas em 2010, custaram R$ 14 milhões e a área desapropriada, em 2008, pertencia a parentes do tucano.

O inquérito contra Aécio, segundo informações do UOL, tornou-se célebre na campanha presidencial de 2014, com as acusações dos adversários, quando o tucano perdeu o pleito para a ex-presidente Dilma Rousseff (PT), candidata ao Senado por Minas Gerais.

A ação foi arquivada um ano depois, em 2015, por falta de provas. Esta é a segunda vez que o promotor é afastado de suas funções. Durante 14 anos, Nepomuceno investigou casos de corrupção na área do patrimônio público de Minas Gerais.

A assessoria do MP informou que “não foi formalmente notificada sobre os termos da decisão para avaliar as medidas a serem adotadas”.