Publicado em 10/04/2018 às 15h00.

Wagner não aceita lugar de Lula por precisar do foro, diz pesquisador

Ex-governador da Bahia é pré-candidato ao Senado

Redação
Foto: Ivan Erick Baldivieso | Secom
Foto: Ivan Erick Baldivieso | Secom

 

Em entrevista ao jornal Estado de São Paulo, o cientista político Leonardo Avritzer pregou que o PT tem que amadurecer rapidamente estratégias após a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no último sábado.

O profissional pontuou que o espaço político ocupado pelo PT a partir de 2019 deve ser menor que o atual, já que o partido vive uma crise desde o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Segundo Leonardo, é preciso alguém para ocupar o lugar deixado por Lula: “Jaques Wagner não aceita o lugar de Lula porque precisa do foro privilegiado, muito mais garantido por uma candidatura ao Senado. Fernando Haddad é hoje o nome mais provável, mas eleitoralmente modesto para as necessidades do partido”.

Para o cientista político, a tendência pode ser a aproximação do PT com partidos aliados.

“Sem Lula, o eleitorado de Ciro Gomes quase dobra. E pode emergir um outro cenário. O de uma aliança de esquerda, a partir de 2019, composta de um PT menor do que o eleito em 2014 e com uma fatia maior das outras legendas à esquerda, como Rede, PSOL e outras menores”, falou.