Publicado em 22/05/2018 às 12h27. Atualizado em 22/05/2018 às 13h16.

Greve dos rodoviários: ‘Empresários podem estar interessados’, desconfia Neto

"Os empresários podem estar querendo que haja a greve para pressionar a prefeitura para reajustar o valor das passagens", desconfia o prefeito

Matheus Morais / Romulo Faro
Foto: bahia.ba / reprodução Bahia Meio Dia
Foto: bahia.ba / reprodução Bahia Meio Dia

 

O prefeito ACM Neto (DEM) suspeita de interesse dos empresários pela greve que os trabalhadores estão prometendo fazer a partir de 0h desta quarta-feira (23).

“Os empresários podem estar querendo que haja a greve para pressionar a prefeitura para reajustar o valor das passagens. O reequilíbrio do contrato deve ser visto, mas não na base da pressão”, disse o democrata em entrevista ao Bahia Meio Dia há pouco.

ACM Neto voltou a dizer que os empresários de ônibus “estavam mal acostumados”.

“As empresas figuram no cadastro de inadimplentes da prefeitura já. Estavam muito mal acostumadas no passado a mandar na prefeitura e na cidade. Hoje eles têm obrigações. Se aceitarmos o que eles querem, amanhã os cidadãos estariam pagando mais caro pela passagem ou com 71 linhas de ônibus suprimidas”.

O prefeito disse que a possibilidade de não haver greve é “muito pequena”.

“As partes estão distantes de um entendimento para evitar a greve. Vamos continuar insistindo no diálogo para que a greve não dure mais do que 24 horas. Estamos nos programado com um plano de contingência. Vamos apresentar um plano de contingência. A prefeitura entrou na Justiça do Trabalho, queremos assegurar 50% dos ônibus nas ruas, garantir 600 veículos nas ruas”.

Neto disse ainda que não aceitou o pedido dos empresários para que a prefeitura concedesse um reajuste no valor das tarifas. “Qualquer reajuste só em janeiro de 2019”.