Publicado em 09/08/2018 às 18h13.

Polícia prende 14 criminosos da facção BDM na Polêmica

Durante a ação, foram apreendidos R$ 16 mil em espécie, cinco armas de fogo, munições, seis veículos, além de drogas como haxixe e ecstasy

Redação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

A  Polícia Civil deflagrou uma megaoperação nesta quinta-feira (9) contra uma organização criminosa na Bahia e no Rio de Janeiro. Treze pessoas foram presas e um adolescente apreendidos. Todos faziam parte da facção Bonde do Maluco, mais conhecida como BDM.

Um suspeito de fazer parte do grupo criminoso morreu em confronto com a polícia no bairro de Brotas, em Salvador.

Durante a ação, foram apreendidos R$ 16 mil em espécie, cinco armas de fogo, munições, seis veículos, além de drogas como haxixe e ecstasy.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), na capital baiana, foram cumpridos mandados de prisão e de busca e apreensão nas localidades da Polêmica, no Conjunto dos Comerciários e no Parque Bela Vista.

Foram realizadas diligências também no bairro da Mata Escura e em cidades da região metropolitana, como Lauro de Freitas e São Sebastião do Passé, e interior do estado, como Valença e Cruz das Almas.

A operação é fruto de uma investigação que teve início há um ano e meio com o intuito de apurar altos índices de homicídio na região da Polêmica. No decorrer das ações policias, segundo o G1, foi descoberto o envolvimento dos mesmos suspeitos em crimes como assalto a banco e homicídios.
O líder da quadrilha, Alex de Jesus da Hora, conhecido como “Argentino” ou “Totó”, de 27 anos, foi morto em confronto com a Polícia Militar, no dia 22 de julho.

Junto com ele, outros quatro criminosos que também integravam a quadrilha foram mortos. Dias antes, ele e outros bandidos explodiram duas agências bancárias em Serra Dourada, no oeste da Bahia. Esta, segundo a SSP-BA, foi a última ação do bando.

Coletiva – Em coletiva à imprensa realizada nesta quinta, a delegada Andrea Ribeiro, coordenadora da coordenação da divisão dos narcóticos, disse que o Argentino tinha um alto padrão de vida, com veículos de luxo, incluindo BMW e Tucson, e usava familiares para fazer lavagem de dinheiro vindo do tráfico.

“Inicialmente, começamos a investigar um grupo com atuação na Polêmica, que era responsável por altos índices de homicídio. Depois, percebemos que esse grupo era também responsável pelo tráfico de drogas, com divisão de tarefas e escalonamento”, afirmou a delegada coordenadora da Divisão de Narcóticos da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), Andréa Ribeiro, que também coordenou a operação.

Com mandados de prisão, foram detidos Átila Santos Cortes, Breno Tiago Santos de Jesus, Willian Couto Neves, Estanislau do Vale Costa, Jorge Luis Dias Muniz, Rodrigo Santos Lima, Bruno Estefan Almeida de Oliveira e Ana Mary Euzébio de Argolo. As idades dos suspeitos não foram divulgadas.

Única mulher presa, Ana Mary é mãe de Willian Argolo Campos, conhecido como “Sky”, que morreu durante a abordagem policial. De acordo com a polícia, ele era foragido e atirou contra os agentes quando tentaram se aproximar para prendê-lo.

Foram presos em flagrante Caio Oliveira Santos, Filipe Souza Queiroz, Israel de Jesus Santos Filho e Igor da Silva Azevedo. Com os quatro, a polícia apreendeu R$ 3,2 mil em espécie, uma pistola calibre 40, outra de calibre 380, além de três revólveres calibres 44 e 38, munições e seis veículos modelo BMW, Sportage, Tucson, Fox, Gol e Honda City, além de uma motocicleta. O restante do dinheiro apreendido na operação foi recolhido com os demais membros da quadrilha.