Publicado em 17/04/2018 às 16h00.

Rede Bahia define ato do MST como ‘agressão aos meios de comunicação’

De acordo com emissora, ato teria sido hostil e desrespeitoso a "todos os profissionais de imprensa"

Mateus Soares
Foto: Frente Brasil Livre- Bahia/Divulgação
Foto: Frente Brasil Livre- Bahia/Divulgação

 

Após a ocupação feita por membros do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na sede da TV Bahia no bairro da Federação nesta terça-feira (17), a emissora criticou o que chamou de “uma agressão aos meios de comunicação do Estado”.

Os manifestantes participaram de ato na porta da emissora em protesto contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) e o governo Temer e foi encerrado sem ocorrências no fim da manhã.

Confira o comunicado na íntegra:

“Informamos que hoje, dia 17 de abril, por volta das 05:55 da manhã, um grupo de representantes da CUT e FUP (Federação Única dos Petroleiros) invadiu a sede da Rede Bahia, forçando o portão da empresa munidos de facões (conforme relato dos seguranças patrimoniais), equipamentos de som e bandeiras sob o argumento de protestar contra os 2 anos do golpe civil e os 22 anos do massacre dos trabalhadores do MST, em Carajás.

Com o apoio e intermediação da Polícia Militar da Bahia, os manifestantes realizaram protesto com palavras de ordem e discursos. Por volta das 09:45, o protesto foi encerrado. Não houve outras ocorrências registradas.

A Rede Bahia respeita a liberdade de expressão. Defende vigorosamente a liberdade de imprensa e a segurança dos profissionais que trabalham no exercício da comunicação, destacando que o trabalho do jornalista e da imprensa são direitos constitucionais assegurados e que contribuem significativamente para a democracia.

A hostilidade sofrida hoje representa uma agressão aos meios de comunicação do Estado e a todos os profissionais de imprensa.”