Publicado em 09/08/2018 às 16h05.

Sindicato condena ação da Semop contra professores

Confusão ocoreu na segunda-feira (8) e professores alegam ter sido agredidos por membros da Guarda Municipal; sindicato classificou ação como "covarde"

Redação
Foto: Divulgação/APLB Sindicato
Foto: Divulgação/APLB Sindicato

 

Após a confusão em que professores alegam ter sido agredidos por agentes da Guarda Municipal na última segunda-feira (8), o coordenador geral do Sindicato dos Servidores da Prefeitura de Salvador (Sindseps) condenou o que chamou de “ação orquestrada pela Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop) que covardemente atacou colegas professores da rede pública de Salvador”.

De acordo com representantes do sindicato, o tumulto começou e os funcionários públicos foram atingidos por spray de pimenta e ficaram sob a mira de armas.

Já a Prefeitura, emitiu nota onde afirma que “uma guarnição da GCM foi hostilizada e agredida por mais de 150 manifestantes da APLB”. O prefeito ACM Neto determinou a apuração do comportamento de cada membro da guarnição da Guarda Civil Municipal que participou da ação.

“Enxergamos cenas que demonstram o descaminho na Guarda Municipal que é consequência da presença indevida desse senhor (Maurício Lima) que é estranho à corporação de acordo com a Lei 13022/14. Ele não pode ostentar a envergadura de nossa farda, pois não é guarda civil municipal. Um burocrata despreparado que destila um ódio contra senhoras, educadores e trabalhadores não pode estar no serviço público sob qualquer circunstância”, continuou a nota do Sindseps.

A direção do sindicato afirmou ainda que aguarda o final da apuração prometida pelo prefeito e as providências que serão tomadas.