Publicado em 27/07/2018 às 08h25.

Transalvador desmente embriaguez e só adverte funcionário

No dia 22 de março o servidor teria atirado o carro do órgão contra um grupo de ciclistas na Avenida Magalhães Neto; a discussão foi gravada e enviada ao bahia.ba

Luís Filipe Veloso
Foto: Leitor/ bahia.ba
Foto: Leitor/ bahia.ba

 

Um funcionário da Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) que foi acusado por um grupo de ciclistas de atirar um carro oficial contra o esportistas na Avenida Magalhães Neto, no bairro da Pituba, no dia 22 de março, foi apenas “punido com advertência”, segundo informou o órgão ao bahia.ba nesta sexta-feira (27).

Quatro meses depois do ocorrido, após ser instalada e concluída uma sindicância para apurar o caso, a Transalvador afirmou, por meio de nota, que “as imagens disponibilizadas não foram suficientes para comprovar conduta irregular do técnico de manutenção semafórica, apenas uma discussão foi evidenciada, pela qual foi punido com advertência”.

Um dos esportistas chegou a ser chamado de “burro” pelo servidor durante a discussão; assista ao vídeo abaixo.

“Ele já veio de longe buzinando. Colou do lado do pelotão, mandando entrar para a pista marginal, sendo que a gente já estava na pista preferencial. […] Ele buzinou mandando a gente entrar, a gente não entrou e ele começou nos fechar para poder entrar na faixa”, relatou um dos integrantes do grupo à época.

A denúncia dos ciclistas ao bahia.ba incluía a suspeita de que o homem apresentava estado alterado de comportamento, como se estivesse embriagado, mas o órgão ressaltou que “o técnico se dispôs espontaneamente, imediatamente após a ocorrência, a fazer teste de alcoolemia, que comprovou sua sobriedade”.

Celular ao volante – Em outro flagrante que circula nas redes sociais, um agente da Transalvador conduz um veículo oficial pela Avenida Dorival Caymmi, em Itapuã, enquanto conversa ao celular.

Em nota, o órgão de trânsito diz que já identificou o servidor e dará início a um Processo Administrativo Disciplinar para investigar o caso ocorrido no último sábado (21).

Agressões – O primeiro semestre de 2018 foi marcado por inúmeras ocorrências envolvendo trabalhadores do órgão. Muitos foram vítimas de agressões e um motorista infrator chegou a ser detido após ameaçar servidores no Rio Vermelho.

Os casos provocaram uma mobilização da Associação dos Servidores de Transporte e Trânsito do Município (Astram) para acelerar a votação do Projeto de Lei que autoriza aos agentes trabalharem armados.

Após idas e vindas a matéria foi retirada da pauta da Câmara de Vereadores da capital e só deve ser apreciada no ano que vem.

Em maio, durante entrevista à TV Câmara, o líder do governo na Câmara de Salvador, vereador Henrique Carballal (PV), lembrou de muitos casos de abuso de autoridade e até mesmo agressões cometidas por agentes de trânsito e afirmou que não cabe à categoria qualquer ação repressiva.

“O agente de trânsito é, no fundo, um educador. A solução não é o acirramento. Por isso, entendemos que este projeto não deve vir à pauta”, justificou.