Publicado em 17/08/2016 às 20h20.

Candidatos tentam de nomes inusitados a novelas para se eleger em SSA

Confira na lista alcunhas como Pantan Paçoquita, Alexandre das Óticas Flávia, William Aragão Oreia do Povo, Miúda da Favela, Gegê Só Alegria, Uga Uga e Maria do Bairro

Fernando Valverde

macaco tiao

 

A cada dois anos, o espaço do horário eleitoral é aberto para que os candidatos falem a respeito do seu plano de governo, pelo menos em teoria. No mundo globalizado da internet, em que tudo vira “meme”, a grande atração passa a ser os nomes de alguns postulantes e a diversão que causam com alcunhas inusitadas.

Para chamar a atenção dos eleitores, ou até mesmo ter algum referencial ao estilo “Binha do Bahia“, muitos apostam em apelidos criativos. Afinal, mesmo com pouca influência política e com apenas 1.184 votos em 2014, o aspirante a deputado estadual pelo PT Cara de Hambúrguer ficou marcado pelo nome pitoresco e até hoje é sinônimo de irreverência nas urnas baianas.

Macaco Tião – Um dos casos mais célebres ocorreu nas eleições municipais do Rio de Janeiro em 1988, quando uma brincadeira da revista Casseta Popular, em defesa do voto nulo, lançou o Macaco Tião, um simpático chimpanzé do Zoológico do Rio, como candidato à prefeitura da cidade, e recebeu cerca de 400 mil votos, o que seria equivalente ao terceiro lugar, de um total de doze postulantes.

Como a candidatura de Tião não havia sido reconhecida pelo TRE, os votos foram considerados inválidos. E se não conseguiu uma vaga na gestão municipal, ao menos foi imortalizado no Guinness World Records como o chimpanzé a receber mais votos no mundo.

Em Salvador – De volta ao cenário baiano, o que não vai faltar nas eleições de outubro são nomes curiosos em busca de uma vaga na Câmara de Vereadores para a próxima legislatura. Desde apelidos referentes à atividade desenvolvida pelo postulante, como o empresário no ramo de óticas Alexandre das Óticas Flávia (PSB), o cobrador de transporte coletivo André, O Cobrador (PMN) e o feirante Gago da Feira (PSB), até aqueles que possuem vulgos incomuns para sua área de atuação, como o motorista particular Bailarino (PMN) ou o caixeiro-viante Mãe Boa (PSC), que no RG se chama Edgar.

No campo das celebridades que buscam uma das 43 cadeiras disponíveis no Legislativo municipal, despontam os cantores de pagode Ed City (PHS) e o sempre polêmico Igor Kanario Príncipe do Gueto (PHS). A “Rainha do Arrocha”, título em eterna disputa com a também cantora Nara Costa, Nira Guerreira (PTN) será outra a pleitear o voto da população. De olho na popularidade dos youtubers na esfera midiática, o irreverente Nal do Canal (PHS) também já questionou: “Por que Nal do Canal não pode ser candidato a vereador de Salvador?“.

E a lista continua com exemplos como Grande Homem (PTdoB) que tentará demonstrar se de fato merece o nobre apelido, William Aragão Oreia do Povo (PR), que, se depender da alcunha, estará de ouvidos atentos às reivindicações dos eleitores, e Pantan Paçoquita (SD), que já ganhou, pelo menos, o título de nome mais curioso da atual disputa.

Há também quem apele para a religiosidade como Na Fé Bomba (PTN) e o quase homônimo Na Fé Chico (PTN). Outro filão explorado é relacionado aos folhetins novelescos. Quem não se lembra de Cláudio Heinrich como o índio Adriano na pitoresca Uga Uga (PTN) ou de todas as agruras sofridas pela mocinha vivida pela cantora mexicana Thalia no sucesso do SBT Maria do Bairro (PMN)?

Há ainda nomes como Miúda da Favela (PRP), Gegê Só Alegria (PP), entre outros. Alheio à tensão política, o eleitor provavelmente dará boas risadas ao longo do programa eleitoral obrigatório com personagens que parecem saídos da ficção, mas que são bem reais e, na busca por um espaço na vida política, fazem qualquer negócio.

PUBLICIDADE