Publicado em 25/09/2020 às 15h01.

O que Bacelar pensa sobre aborto, religião e a legalização das drogas?

Do livro de cabeceira a opiniões sobre temas polêmicos, bahia.ba apresenta os candidatos à Prefeitura de Salvador

Raphael Minho
Foto: Estela Marques / Bahia.ba
Foto: Estela Marques / Bahia.ba

 

Candidato à Prefeitura de Salvador pela primeira vez, o deputado federal Bacelar (Podemos) já foi secretário de Educação de Salvador, em 2010, durante o segundo mandato do ex-prefeito João Henrique. No exercício da função, Bacelar foi responsável pela reestruturação de 230 escolas municipais e pela sistematização do Programa de Alimentação Escolar. O projeto foi realizado em parceria com o Curso de Nutrição da Universidade Federal da Bahia (Ufba), reconhecido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) como o mais bem sucedido programa nutricional das redes públicas municipais de ensino.

Biografia
João Carlos Bacelar Batista, popularmente conhecido apenas como Bacelar, nasceu em 9 de julho de 1957, no município de Esplanada-BA. O candidato do Podemos é formado em Administração de Empresas pela Universidade Federal da Bahia (Ufba), em 1979, e fez mestrado em Administração Pública pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), em 1981, no Rio de Janeiro.

Sua história política se inicia em 1982, quando exerceu o cargo de subsecretário de Administração da Prefeitura de Salvador até 1985. Ele também já foi vereador da capital baiana por quatro vezes e por duas vezes foi deputado estadual. Atualmente, exerce o segundo mandato como deputado federal, tendo sido reeleito com quase 150 mil votos. Na função em Brasília, Bacelar votou contra a abertura do processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), mas votou a favor do processo que pedia a abertura do processo de impeachment do ex-presidente Michel Temer (MDB). O parlamentar ainda votou contra a Reforma da Previdência e foi integrante da CPI contra homicídios de jovens negros e pobres.

O histórico político também lhe rendeu o prêmio do MEC de Inovação na Gestão Educacional – concedido pela implantação do Mapa Digital da Educação, projeto que implantou a matrícula digital dos alunos e o diálogo institucional para a solução dos problemas cotidianos da gestão escolar.

Religião e hobbies
Na vida pessoal, Bacelar é católico, pai de João Cláudio e possui duas netas. Nas horas vagas, o candidato do Podemos aproveita o tempo para ler e revela ser apaixonado pelas obras de Clarice Lispector, João Ubaldo Ribeiro, Luís Fernando Veríssimo, Gabriel Garcia Márquez e Jorge Amado, que é o autor do seu livro favorito: “Capitães de Areia”. O título é um clássico da literatura brasileira, sendo escrito em 1937. O romance retrata a vida de um grupo de menores abandonados, que crescem nas ruas de Salvador, vivendo em um trapiche, roubando para sobreviver.

Já no campo musical, Bacelar se diz eclético, mas não dispensa ouvir canções da MPB e do Rock’n Roll na sua playlist. O seu filme favorito é “O Pagador de Promessas”, dirigido por Anselmo Duarte e lançado em 1962. A obra conta a história do personagem Zé do Burro, um homem humilde, que enfrenta a intransigência da Igreja ao tentar cumprir a promessa feita a um terreiro de Candomblé, que era carregar uma pesada cruz de madeira por um longo percurso.

Legalização do aborto
Em um dos temas políticos mais polêmicos no Brasil, Bacelar se posiciona a favor do aborto apenas em casos que há risco de morte da mãe em que a causa é gerada pela gravidez, além de quando a gestação é resultante de estupro, e se o feto não tiver cérebro, que são casos já previstos na legislação brasileira.

“Não sou favorável ao aborto por acreditar no direito à vida, mas este é um assunto delicado e que merece ser discutido. Recentemente acompanhamos na mídia o caso da menina de 10 anos que engravidou do próprio tio após ser estuprada por ele ao longo de anos. Isso gerou revolta, não só pela barbárie do crime, mas também pela reação de parte da sociedade à autorização da Justiça para que ela fizesse um aborto. No entanto a legislação é clara ao permitir o aborto em casos de estupro, fetos anencéfalos ou gravidez que possa colocar a vida da mãe em risco”, disse em entrevista exclusiva ao bahia.ba.

Legalização das drogas
Quando o assunto é maconha, o candidato é taxativo ao se dizer a favor da descriminalização. Ele, inclusive, é vice-presidente da Comissão Especial que analisa o Projeto de Lei 399/2015 que libera o uso da cannabis para fins medicinais.

“Só para se ter uma ideia, hoje já são mais de 9 mil pacientes que precisam recorrer à importação de medicamentos para ter acesso aos remédios à base da substância. Pessoas com autismo, alzheimer, síndromes raras, epilepsia, esclerose múltipla, câncer e muitas outras condições. Se é permitido no Brasil, se pode ser importado e vendido na farmácia, porque não podemos pesquisar e produzir no Brasil?”, questiona.

Bacelar também afirmou que a Anvisa já autorizou a importação de medicamentos e de insumos para a fabricação do medicamento em território brasileiro.

“Ou seja, já tem cannabis entrando em nosso país de maneira legal, por nossas fronteiras. A questão é que o produto importado encarece o preço da medicação e a torna inacessível para a maioria da população”, defendeu.

Ao ser questionado sobre a descriminalização das outras drogas, o candidato declarou ser contra.

Legado que gostaria de deixar
O candidato do Podemos também foi perguntado sobre qual legado gostaria de deixar, caso fosse eleito prefeito de Salvador. Segundo Bacelar, a manchete que gostaria de ler durante o seu mandato seria: “Salvador tem nota 10 no Ideb”.

Esta matéria faz parte de uma série de entrevistas que serão publicadas diariamente com todos os candidatos à Prefeitura de Salvador nas eleições de 2020. Também já foram entrevistados os candidatos, na ordem: Denice (PT) e Isidório (Avante).

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.