Publicado em 30/09/2020 às 14h39.

O que Bruno Reis pensa sobre aborto, religião e a legalização das drogas?

Do livro de cabeceira à opiniões sobre temas polêmicos, bahia.ba apresenta os candidatos à Prefeitura de Salvador

Raphael Minho
Foto: Ascom / Bruno Reis
Foto: Ascom / Bruno Reis

 

Atual vice-prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM) é candidato a prefeito da capital baiana pela primeira vez. Com 43 anos, o democrata já foi duas vezes deputado estadual e secretário de Promoção Social, Esporte e Combate à Pobreza (Semps), além de também ter sido titular da Secretaria de Infraestrutura e Obras Públicas de Salvador. Embalado pela alta popularidade da atual gestão do prefeito ACM Neto (DEM), Bruno lidera todas as pesquisas eleitorais.

Biografia
Nascido em 17 de maio de 1977, em Salvador, Bruno Reis é filho de João Batista Cavalcanti Reis e de Márcia Beatriz Ribeiro Soares Reis, e bacharel em Direito pela Universidade Católica do Salvador (Ucsal), pós-graduado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) e tem mestrado em Desenvolvimento Social pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

O vice-prefeito foi estagiário e depois assessor na Câmara de Vereadores. Em seguida, Bruno se tornou assessor do então deputado federal ACM Neto, no início dos anos 2000, e depois, assessorou ACM Júnior, no Senado Federal.

Em 2010, Bruno Reis é eleito pela primeira vez como deputado estadual com 55.267 votos. Em 2014, foi reeleito com 89.607 votos. Logo no início do mandato, o democrata foi escolhido Destaque Parlamentar de 2011 e 2012, pela imprensa especializada.

Em 2015, Bruno foi convidado pelo prefeito ACM Neto para assumir a Secretaria de Promoção Social, Esporte e Combate à Pobreza (Semps). À frente da pasta, lançou diversos projetos, como o Morar Melhor e Primeiro Passo e Cuidar. Ele ainda ampliou o serviço de acolhimento à população em situação de rua e ajudou a criar o auxílio emergência para indenizar as vítimas das chuvas.

Em 2019, Bruno assumiu a secretaria de Infraestrutura e Obras Públicas de Salvador, ajudando a tocar importantes projetos para a capital baiana, a exemplo do Morar Melhor, do BRT, do Centro de Convenções, da requalificação do Centro Histórico, da Bacia do Mané Dendê e de diversos trechos de orla, além de empreendimentos de habitação popular, como a Vila Barro Branco, de reurbanização de córregos e canais e de recuperação de pontes e viadutos.

Religião e hobbies
Em meio a dedicação a vida política, Bruno Reis também dedica tempo a espiritualidade. O democrata é católico, mas coleciona “com carinho e respeito” os símbolos e livros que recebeu de presente de pessoas de diversas religiões. Nas horas livres, o seu hobby predileto é correr de bicicleta na orla de Salvador.

Quando o assunto é literatura, Bruno revela que o seu livro de cabeceira é “O Monge e o Executivo”, escrito por James C. Hunter sobre a essência da liderança, algumas vezes pelo autor reportada como “liderança servidora ou a verdadeira liderança”.

Já o seu filme preferido é “À Procura da Felicidade”, dirigido por Gabriele Muccino. O drama biográfico estadunidense conta a luta de quase um ano do empresário Chris Gardner na época em que era um morador de rua.

Legalização do aborto
Em um dos temas mais polêmicos da política brasileira, Bruno diz ser contra o aborto. No entanto, concorda com a legislação brasileira que prevê a possibilidade legal para casos em que a gravidez represente risco de vida para a gestante, estupro ou quando o feto for anencefálico.

Legalização das drogas
Quando o tema são as drogas, o candidato do Democratas diz ser contra a legalização e defende um olhar sensível aos dependentes químicos.

“O consumo de drogas representa um grave problema de saúde pública. Portanto, a descriminalização não pode vir sem um amplo debate da sociedade sobre o tema. Diante do atual cenário do nosso estado, sou contra. Precisamos, sim, trabalhar cada vez mais para ampliar o bem-estar e estimular as práticas saudáveis no dia a dia da população, sobretudo entre os jovens, que, normalmente, são mais vulneráveis ao uso e ao tráfico. Por outro lado, o dependente químico precisa ser olhado de forma sensível e humanizada, dando a ele o devido tratamento e a possibilidade de se reinserir na sociedade”, afirmou em entrevista exclusiva ao bahia.ba.

Legado que gostaria de deixar
O candidato do DEM também foi perguntado sobre qual legado gostaria de deixar, caso fosse eleito prefeito de Salvador. Segundo Bruno Reis, a manchete que gostaria de ler durante o seu mandato seria: “Salvador lidera ranking de qualidade de vida e redução das desigualdades”.

Esta matéria faz parte de uma série de entrevistas que serão publicadas diariamente com todos os candidatos à Prefeitura de Salvador nas eleições de 2020. Também já foram entrevistados os candidatos, na ordem: Denice (PT)Isidório (Avante)Bacelar (Podemos)Celsinho Cotrim (Pros) e Cezar Leite (PRTB). Já Rodrigo Pereira (PCO) recusou o convite para participar das entrevistas.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.