Publicado em 09/08/2022 às 11h30.

Kiki critica ‘politicagem’ ao celebrar decisão judicial que suspendeu ida de Décio à CMS

Vice-líder do governo na Câmara, ele também minimizou o clima ‘azedo’ com Zé Ronaldo e seu grupo político

Jamile Amine / Mattheus Miranda
Foto: Mattheus Miranda / bahia.ba
Foto: Mattheus Miranda / bahia.ba

 

Vice-líder do governo na Câmara Municipal de Salvador, o vereador Kiki Bispo (União Brasil) comemorou a decisão da Justiça que suspendeu a convocação do secretário Municipal de Saúde, Décio Martins, agendada para esta terça-feira (9), na casa legislativa.

“Com certeza [foi uma vitória grande para o grupo]. Acho que a Justiça acabou ratificando aquilo que a gente tem falado aos quatro cantos da nossa cidade. Que a Câmara está faltando transparência, que a Câmara não tem seguido os ritos regimentais, não segue a Lei Orgânica”, declarou o edil, segundo o qual, a judicialização tem sido a única alternativa da base do prefeito Bruno Reis (União Brasil) para contrapor arbitrariedades cometidas pela presidência da CMS, sob Geraldo Júnior (MDB).

Kiki destacou ainda que o chefe do Executivo, assim como seu secretariado, “estão à disposição da Câmara”, mas apontou a importância de “separar aquilo que é inconstitucional, aquilo que é legal, daquelas questões da politicagem”.

 
ZÉ RONALDO

Ao comentar a possibilidade de uma eventual cisão entre José Ronaldo (União Brasil), e o grupo político liderado por ACM Neto (União Brasil), após ser preterido na vaga de vice-governador, Kiki Bispo minimizou o atrito.

Citando o histórico do ex-prefeito de Feira de Santana, o vereador reafirmou a manutenção da aliança de longa data com Zé Ronaldo, apontado que o político “sempre foi um protagonista do PFL, do Democratas, e agora no União Brasil não vai ser diferente”.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.