Publicado em 24/12/2015 às 09h20.

Bethânia reúne poemas que mais lhe tocam em ‘Caderno de Poesias’

Historiadora Heloisa Maria Murgel Starling convidou Maria Bethânia para participar do projeto Sentimentos do Mundo em 2009

Evilasio Junior

01

 

O convite partiu da Universidade Federal de Minas Gerais, que buscava um programa que levasse expressões artísticas – notadamente a poesia – para a sala de aula. Era 2009, a historiadora Heloisa Maria Murgel Starling teve a ideia de convidar Maria Bethânia para participar do projeto Sentimentos do Mundo. A proposta agradou à cantora, que criou o espetáculo “Leituras de Textos”, no qual se apresentou resgatando a arte de declamar poemas.

“Gosto de emprestar minha vida e minha voz às histórias, aos personagens que os autores nos revelam. Aceitei fazer essa leitura porque foi criada para casas de ensino. Acho a ideia de levar expressões artísticas para dentro de uma sala de aula preciosa e linda”, diz Bethânia, em texto publicado no livro “Caderno de Poesias”, versão física da apresentação feita pela cantora em diversos palcos e salas, editada pela mesma Universidade Federal de Minas Gerais.

Trata-se de uma delicada obra criada pelo diretor de arte Gringo Cardia que, encantado com o projeto, promoveu o diálogo entre a poesia escolhida por Bethânia e as artes plásticas. Assim, da mesma forma que os versos declamados pela cantora, as ilustrações também refletem sobre o Brasil com a reprodução de trabalhos de artistas consagrados, como Portinari e Tarsila do Amaral, além de pintores diletantes como Dorival Caymmi.

Para completar o pacote (e torná-lo ainda mais atraente), o livro vem acompanhado de um DVD com imagens da apresentação de Bethânia – o disco também será vendido separadamente.

Em um alentado prefácio, a historiadora Heloisa detalha a forma com que Bethânia elaborou uma forma própria de escrita, que serve como instrumento para construir um olhar sobre os dilemas, os limites e a formação social brasileira. “Nesse livro, Maria Bethânia reafirma a equivalência entre a chamada ‘alta literatura’ e as canções populares, entre o culto à soberania da abordagem literária em sua inesgotabilidade de sentido e de permanência, e o nosso hábito meio distraído de fazer da canção o complemento natural da atividade cotidiana de viver”, observa a escritora.

Em entrevista à reportagem na manhã da quarta (23,) Bethânia conta ter o hábito de unir poemas com letras de canção, algo que faz por diversão. “Às vezes, ouço uma canção da Marisa Monte e penso que o poema de outro autor se encaixa bem na melodia”, diz ela que, por causa disso, se sentiu inicialmente inibida com o projeto da leitura. “No fundo, é algo muito íntimo, muito caseiro, mas, como a finalidade é levar poesia para as escolas, acabei aceitando.”

Na conversa, Bethânia lembra da importância do encenador Fauzi Arap (1938-2013) na descoberta da força de sua prosódia. “Foi ele quem me mostrou, pela primeira vez, como dizer os versos com intenção, e como alinhar diferentes fragmentos.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.