Publicado em 12/06/2019 às 18h00.

Em nota, Globo diz que público julgará caráter de Glenn Greenwald

Jornalista do The Intercept acusou a emissora de tratar vazamento de conversas como crime

Redação
Foto: Reprodução / TV Globo
Foto: Reprodução / TV Globo

 

Em nota divulgada para a imprensa nesta quarta-feira (12), a TV Globo se defendeu das acusações do jornalista do Intercept Brasil, Glenn Greenwald, responsável pela divulgação das conversas que envolvem Sérgio Moro e Deltan Dallagnol.

Gleen havia dito em entrevista ao site Agência Pública que a Globo “está quase tratando a história somente como um crime — e o único crime que interessa é o da nossa fonte, que eles acham que ela cometeu. Eles não têm quase nenhum interesse nas gravações e no comportamento do Moro, do Deltan”.

No comunicado, a Rede Globo revelou que Glenn Greenwald procurou a emissora no dia 29 de maio para propor uma parceria de trabalho na divulgação dos prints das conversas.

“Greenwald ouviu também, com insistência, por três vezes, que a Globo só poderia aceitar a parceria se soubesse antes o conteúdo da tal ‘bomba’ e sua origem, procedimento óbvio. Greenwald se despediu depois de ouvir essa ponderação”, diz a nota.

A emissora sustenta que uma funcionária do Intercept sugeriu entrevista com um dos editores do site no Conversa com Bial. “Como o próprio site anunciou que as publicações de domingo eram apenas o começo, recebeu como resposta que era conveniente esperar o conjunto da obra, ou algo mais abrangente, antes de se pensar numa entrevista”, continua.

“Por tudo isso, causam indignação e revolta os ataques que ele desfere contra a Globo na entrevista publicada na Agência Pública. Se a avaliação dele em relação ao jornalismo da Globo e a cobertura da Lava-Jato nos últimos cinco anos é esta exposta na entrevista, por que insistiu tanto para repetir ‘uma parceria vitoriosa’ e ser tema de um dos programas de maior prestígio da emissora?”, questiona.

A nota termina: “A Globo cobriu a Lava-Jato com correção e objetividade, relatando seus desdobramentos em outras instâncias, abrindo sempre espaço para a defesa dos acusados. O comportamento de Greenwald nos episódios aqui narrados permite ao público julgar o caráter dele”.

PUBLICIDADE