Publicado em 14/03/2019 às 11h29.

Fábio Porchat expõe machismo em nova série no Comedy Central

Prestes a lançar "Homens?", que vai ao ar na próxima segunda-feira (18), humorista fala sobre temas que ferem masculinidade: "Eu já brochei"

Redação
Foto: Divulgação/Comedy Central
Foto: Divulgação/Comedy Central

 

Consolidado como um dos principais nomes do humor no Brasil atualmente, Fábio Porchat engata uma série que promete dar o que falar no Comedy Central, “Homens?’. Direcionada aos próprios seres masculinos, a produção levanta questões recorrentes entre eles, como por exemplo a temida “brochada”. Em evento na última semana, o criador do Porta dos Fundos admitiu que ele mesmo já passou pelo problema: “Eu já brochei na minha vida, é desesperador, é tenso”.

Na série, Porchat interpreta o publicitário Alexandre “Brocha”, que enfrenta o dilema ao longo da trama. O antigo funcionário da RecordTV conta que pesquisou sobre o tema para poder escrever o roteiro.

“A gente fez uma pesquisa, a gente foi no Boston Medical Group para falar sobre esse tema. Porque homem só conta vantagem, não conta derrota. Lá, a gente descobriu algumas coisas muito interessantes: por exemplo, o homem que procura um médico está há pelo menos dez anos brochando”, diz ele.

“Ou seja, o homem é tão imbecil que ele não conversa sobre isso, ele não fala sobre isso. O homem tenta resolver sozinho. Isso é uma coisa que mulher fala, conversa. Mas homem não faz. Homem não conta pro outro o que deu errado”, acrescenta.

Esse e outros assuntos espinhosos fazem parte da história de “Homens?”, segundo o Uol, vivida por Gustavo (Gabriel Godoy), Pedrinho (Raphael Logam), Pedro (Gabriel Louchard) e Alexandre (Fábio Porchat). Eles formam um grupo de amigos imaturos, acostumados com piadas machistas o tempo todo e que vão percebendo que também sofrem as consequências disso.

“É uma série que fala do machismo para os homens, de como eles estão percebendo isso. Venho observando há algum tempo que os homens estão meio perdidos. Eu queria falar de como o homem é meio de verdade. Acontece de o homem começar a transar e falar: ‘Fodeu, vou gozar em 30 segundos, o que eu faço?’. A ideia é tentar falar um pouco do que acontece nesse nosso mundo”, explica.