Publicado em 22/11/2017 às 10h21.

Gelamóvel: Estudante de Periperi dribla crise com geladinho gourmet

Emile Dantas, de 25 anos, estava desempregada há dois anos e seis meses quando decidiu investir nesse velho conhecido da gastronomia baiana

James Martins
Foto: Hamilker Dantas Santos / Divulgação
Foto: Hamilker Dantas Santos / Divulgação

 

Certamente não foi em obediência ao presidente Michel Temer (recordista de rejeição), com seu famoso pedido inaugural – “não fale em crise; trabalhe” –, mas sim para atender aos seus próprios desejos e necessidades que Emile Dantas, 25 anos, moradora de Periperi, estudante de engenharia mecânica e desempregada há dois anos e seis meses decidiu usar a criatividade e, de fato, se virar nos 30 para driblar a crise com uma solução saborosa e refrescante.

Desde setembro ela faz, vende e até mesmo entrega em domicílio os geladinhos gourmet que são a nova sensação do bairro. Surgiu o “Gelamóvel” – confirmação de que “a tecnologia do povo é a vontade”, como disse o Dr. Charles Zambohead, também conhecido por Chico Science. “Diante da situação complicada, minha mãe, também desempregada, me disse: ‘Precisamos fazer algo para ter uma renda, dessa forma não vou suportar’. De cara pensamos em bolo de pote, mas, na mesma hora ela disse: ‘Vamos fazer geladinho’. Foi então que a ‘febre’ do gourmet passou em minha cabeça”, explica, em entrevista ao bahia.ba.

Com R$ 50 no bolso, a jovem, que é formada no curso técnico de automação, investiu na produção inicial que rendeu 80 geladinhos. Mas não eram quaisquer geladinhos e sim geladinhos especiais, em sabores como Ovomaltine, Morango Trufado com Coco, Leite Ninho com Nutella, Leite Ninho com M&M’s, Torta de Limão, Prestígio e até mesmo, criação da própria Emile, um geladinho alcoólico: catuaba cremosa com pedaços de morango! Aí o sucesso bateu em cheio, como se fosse a coisa mais natural da vida. “Vendeu muito rápido! Com esse dinheiro, compramos mais material, aumentamos a produção e resolvi fazer entrega a domicílio, mas… não tinha bicicleta”, diz, bem humorada.

Ela chegou a entregar a pé mesmo e, para quem conhece Periperi, com seus aproximadamente 50 mil habitantes, sabe que a mocinha, que é filha de rodoviário, andou bastante. “Fazia as entregas andando o fim de semana todo. Até que consegui R$ 150 vendendo geladinho e falei: ‘Agora eu compro a bicicleta’. Acontece que achar bicicleta nesse valor é extremamente complicado. Mas eu consegui, peguei com uma menina no Costa Azul (por sinal muito atenciosa), que me vendeu por R$ 120. Coloquei uma gasolina no carro de meu primo e meu irmão foi buscar. Hoje rodo Periperi todo com meu Gelamóvel”, festeja.

Nos diversos sabores que oferece, Emile Dantas exercita a criatividade (Foto: Acervo Pessoal).
Nos diversos sabores que oferece, Emile Dantas exercita a criatividade (Foto: Acervo Pessoal).

 

E, mesmo sendo de segunda mão, o Gelamóvel presta um serviço de primeira. “A bicicleta está um pouco enferrujada, marcha quebrada, sem freio da frente, roda empenada (risos)… Mas a gente se vira muito bem com ela. Posteriormente, com certeza, vamos arrumá-la”, diz. O “nós” da frase é a família: a mãe, que ajuda na produção, e o irmão, na entrega. Além do pai, um divulgador nato. Os pedidos são feitos via WhatsApp: (71) 99158-3350 / 99150-2221.

Emile não cobra taxa de entrega, mas para receber o produto em casa o pedido mínimo é de cinco geladinhos. Cada um custa R$ 2. Por enquanto, a área de cobertura se resume a Periperi, porém, se depender dos moradores dos bairros vizinhos, em breve o Gelamóvel expandirá seu alcance. “Itacaranha não vem :( “, lamenta um potencial freguês, no Facebook. O pessoal de Paripe, Escada, Plataforma e adjacências também tem que se deslocar até o bairro vizinho para saborear as delícias.

Catuaba cremosa com pedaços de morango: criação da casa faz sucesso! (Foto: Acervo Pessoal).
Catuaba cremosa com pedaços de morango: criação da casa faz sucesso! (Foto: Acervo Pessoal).

 

“Morar no Subúrbio é crescer com valores enraizados. A gente que nasce em periferia, que labuta com salário mínimo, que vê feijão, arroz e carne no prato hoje sem saber se vai ter isso mais tarde, a gente nasce com a força da natureza, com luz própria, com vontade de fazer história lá fora. Quem mora na Suburbana tem que saber ter jogo de cintura e energia pra fazer dos problemas uma solução”, diz Emile, com natural sabedoria.

E para quem pensa que as novidades se acomodaram com o sucesso inicial, ela já pensa em incrementar a produção, participar de eventos e feiras, aumentar a área de entrega e, antenada com as novas tendências gastronômicas, lançar uma linha fitness – geladinhos feitos com água de coco e pedaços de fruta. “Super refrescantes. A galera natureba vai amar”, garante.

“Morar no Subúrbio é crescer com valores enraizados. (…) A gente nasce com a força da natureza”.

Área privilegiada em belezas naturais, com a linha-marítima mais bonita da capital baiana e praias de água morna na Baía de Todos-os-Santos, o Subúrbio Ferroviário apresenta ainda maior riqueza em belezas humanas naturais, com pessoas criativas e batalhadoras de que Emile Dantas é um exemplo recente e iluminado.

O que ela entrega diariamente na atual empreitada é (assim como o que recebe, muito mais que apenas o dinheiro do pagamento) uma energia motriz que, essa sim, move as máquinas (materiais e simbólicas) do país para que a crise não nos vitime ainda mais. Para fazer do colapso uma crisálida. Cores, valores e sabores. Ela diz: “Acima de qualquer valor financeiro, busco manter meus clientes satisfeitos, focar na troca de energia e vibrar com o que tem acontecido sem perder a postura. Que humildade e ousadia ainda vão nos levar muito longe”.