Publicado em 16/08/2018 às 18h40.

Intercâmbio de Saberes abre debate sobre violência de gênero e racial

Cursos, aulas interativas de português e francês, atividades de música, artes plásticas e exibição de filmes estão na programação do evento que acontece no Cine Teatro

Redação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

 

Educação, arte, cultura, empoderamento, mulheres francesas e o município de Lauro de Freitas.  O que esses componentes têm em comum são as práticas de enfrentamento ao machismo, sexismo e racismo, que vitima milhares de pessoas no mundo, especialmente as mulheres, crianças e jovens.

Parceria da Secretaria Municipal de Educação (Semed) com o Femmes Dans Le Monde Institute, o projeto “Intercambiando Saberes” promove no período de 3  a 17, atividades de arte e educação para alunos, profissionais e sociedade civil, através da troca de experiências com 12 mulheres de Montreuil, França.

A abertura do projeto aconteceu nesta sexta-feira (3), no Cine Teatro de Lauro de Freitas. Rodas de conversa, cursos, aulas interativas de português e francês, atividades de música, artes plásticas e exibição de filmes estão na programação do evento.

Com apresentações musicais da Orquestra Unissom, a abertura do “Intercambiando Saberes” causou encantamento no público presente. Os hinos nacionais do Brasil e da França selaram o comprometimento do projeto para o  enfrentamento das violências que assolam o mundo.

A idealizadora do Intercambiando Saberes e membro fundadora do Femmes Dans Le Monde, Kátia Cunha, sintetizou as ações do projeto. “O intercambiando Saberes acolhe hoje em Lauro de Freitas, mulheres e também homens franceses, afrodescendentes, que reafirmam seu pioneirismo nas iniciativas públicas e de luta pelo respeito aos direitos humanos. Durante essas duas semanas de evento, iremos trabalhar questões que transcendem as fronteiras do nosso país e encontram eco na luta e nas demandas de mulheres baianas, brasileiras, francesas, europeias, latinas e africanas”.

O Secretário de Educação, Paulo Gabriel Nacif, destacou a importância do projeto para a construção de estratégias de enfrentamento às violências de gênero e raciais. “A diversidade de pessoas é sem dúvida a maior riqueza do mundo. Mas temos que considerar que a diversidade no Brasil é sinônimo de desigualdade. Minorias sociais como mulheres, negros, homossexuais e pobres, sofrem violências diariamente nesse país. É importante que um projeto como esse, onde há troca de saberes e cultura, possa contribuir na construção de estratégias para superarmos as desigualdades”.

Durante as falas no ato de abertura houve tradução simultânea para o idioma francês. O grupo trazido de Montreuil acompanhou atentamente todas as colocações dos convidados e interagiu com a apresentação de encerramento feita por Dona Aidê e seu grupo cultural de Portão.

Na programação, as atividades com francesas serão desenvolvidas nas comunidades de Itinga, Vida Nova, Vila Praiana, Portão e Centro, nas escolas, na Reserva Indígena Thá Fene e no quilombo do Quingoma

Bárbara Chaves, secretaria de Políticas para Mulheres, ressaltou as iniciativas de Lauro de Freitas.

“Temos uma movimentação feminina muito forte na cidade. Projetos que estão sempre se direcionando ao combate da violência contra a mulher. Temos a prefeita Moema Gramacho à frente da gestão, a Ronda Maria da Penha e tantas outras mulheres que trabalham para a melhoria da cidade. Essa troca de saberes vai servir muito para implementamos ainda mais politicas publicas na cidade”, completou.

Além da secretária, estiveram presentes, Terezinha Barros, coordenadora da Universidade Livre e co-idealizadora do projeto Intercambiando Saberes, Kadjidia Ducouré, diretora da Esperanto Montreuil, Idaci Ferreira, coordenadora da Cidade Educadora, Lula Maciel, secretário de Governo, Nildon Pitombo, subsecretário de Educação do Estado da Bahia, vereadores e representantes sociais.