Publicado em 12/04/2018 às 19h35.

Justiça nega liberdade provisória a ex-presidente da Câmara

Wesley Campos, o Maradona, foi preso por "Operação Último Tango", acusado de integrar organização criminosa para fraudar licitações

Redação
Reprodução
Reprodução

 

O ex-presidente da Câmara de vereadores de Correntina, Wesley Campos Aguiar, preso em outubro de 2017 acusado de integrar organização criminosa para fraudar licitações, teve pedido de liberdade provisória negado pela 1ª turma da 2ª Câmara criminal do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA).

Investigado na Operação Último Tango, Maradona é acusado de fraudar processos licitatórios e contratos na prefeitura, desviar verbas públicas mediante pagamento de gratificações indevidas a servidores e realizar exigências ilícitas ao prefeito, inclusive entrega de propina de R$ 50 mil para alguns vereadores em troca da aprovação de projetos de lei.

Outros dois servidores da Casa Legislativa e um quarto homem também estão presos.