Publicado em 05/10/2016 às 09h30.

E a Lava Jato está sendo seletiva? Eis a questão: se não está, parece

Dizem que o PT, por ter passado os últimos 13 anos no poder e botado uma escala no propinoduto nunca vista, paga o preço maior, que dá essa aparência de distinção

Levi Vasconcelos

Frase da vez

“A corrupção é praticada há tanto tempo por essas empresas que se tornou um modelo de negócio”

Deltan Dallagnol, procurador da República que trabalha na Lava Jato.

 

Foto: Luis Filipe Veloso / bahia.ba
Foto: Luis Filipe Veloso / bahia.ba

 

A frase do procurador acima sugere uma pergunta óbvia: e só tem corrupto petista?

Os petistas dizem que a Lava Jato está fazendo acusações seletivas. Ou seja, selecionando os alvos a atacar. Se não é, parece. O fato objetivo é que nos outros, apenas triscam. Com o PT, pisam fundo.

Dizem que o PT, por ter passado os últimos 13 anos no poder e botado uma escala no propinoduto nunca vista, paga o preço maior, que dá essa aparência de distinção.

Tem isso, vá lá. Mas também tem o outro lado da questão: os empresários distribuíam dinheiro para todos e não estavam fazendo caridade, apenas pagando para assegurar o prosseguimento do esquema, fosse quem fosse o vencedor. E por que só aparece, no atacado, dinheiro sujo só de um lado?

Já se disse que após a delação da Odebrecht, em vias de ser assinada, e da OAS, já em andamento, vão sobrar poucos.

Oxalá fosse assim, mas tudo indica que não será. É nesse contexto que sobrou para Rui Costa. É governador, é do PT, tem visibilidade, paga por isso. Daqui que a

Lava Jato chegue aos outros – se chegar -, o estrago já está feito.

O que se quer é passar o Brasil a limpo, custe o que custar, doa a quem doer. Mas pegar só um lado, fica parecendo jogo político.

DEM campeão

Política tem lá as suas reviravoltas surpreendentes, e das urnas de domingo, surgiu mais uma. O DEM, que no início do ano passado quase era sepultado quando ACM Neto cogitou a fusão com o PTB, como a fênix, ressurge das cinzas.

Puxado por ACM Neto em Salvador e Zé Ronaldo em Feira de Santana, é o campeão de votos para prefeito em 2016 na Bahia.

Teve 1.757.740 contra 959.780 do PSD de Otto Alencar e 745.225 do PT de Rui Costa.

O PMDB de Geddel foi o quarto, com 718.804; e o PP de João Leão, o quinto, com 645.120. O PCdoB de Alice ficou em sexto, com 415.861, e o PDT em sétimo, com 399.408. Em oitavo, vem o PSDB, com 395.404; em nono, o PSB, com 367.619; e em décimo, o pequeno PSL de Marcelo Nilo, com 196.332.

Vereadores

Na contabilização dos votos dados para vereador, o partido também ostenta boa posição, ficou em segundo. Pela ordem: PSD (737.528), DEM (603.241), PMDB (537.691), PT (537.020, PP (521.288), PSDB (419.987), PCdoB (372.378), PDT (366.683), PSB (338.667) e PRB (301.175).

A surpresa de Irecê

Elmo Vaz, o ex-presidente da Codevasf que virou a grande surpresa de domingo ao derrotar Luizinho Sobral (PTN), prefeito de Irecê, e bem avaliado, diz ter consciência do feito eleitoral e da responsabilidade:

— Eu, que nunca disputei nada, ganhei de um cidadão que já foi vereador em Salvador e deputado estadual. Sei que não é pouco.

Elmo diz também que vai apostar suas fichas em um dos grandes problemas de Irecê, a saúde. Mas as carências passam também por segurança, emprego, saneamento:

— Por onde passei, deixei um bom trabalho. Não vou falhar.

Imbróglio em Belmonte

Jânio Natal (PTN) elegeu-se prefeito de Belmonte, terra dele, tendo como vice o irmão, Janival. Na Assembleia, está todo mundo dizendo que ele vai preferir renunciar para continuar deputado e deixar Janival no cargo. Ele nem confirmou e nem desmentiu:

— Não existe nada disso. Eu nada falei, mas ainda vou refletir sobre isso.

Outubro no Cican

O Centro Estadual de Oncologia (Cican) entrou de sola no Outubro Rosa. Montou um mutirão de mamografia, apto a atender a demanda média da capital baiana, segundo o secretário da Saúde, Fábio Vilas Boas.

— Estamos prontos para dar assistência a todos que nos procurarem.

Os interessados devem ir no Cican (Av. Vasco da Gama), sempre à tarde, levando o cartão do SUS e comprovante de endereço.

Presente em Macaúbas

O prefeito de Macaúbas, José Pereira (PSB), vai entregar o cargo em 31 de dezembro deixando um presente ligth para o sucessor, Amelinho (PT): às vésperas da eleição, aumentou o salário do prefeito de R$ 14 mil para R$ 19,6 mil, e dos vereadores, de R$ 6 mil para R$ 10,1 mil.

O povo está irado. E vai para a justiça.

Derrota de Marquinhos

O deputado Marquinhos Viana (PSB) não se saiu muito bem da eleição. A mãe dele, Dona Lúcia Viana (PR), perdeu a eleição em Barra da Estiva para João de Didi (PTB).

Volta triunfal

Eduardo Vasconcelos (PSB), que em 2014 foi vice de Lídice da Mata na disputa pelo governo, voltou para a Prefeitura de Brumado com pompas: teve quase 70% dos votos, desempenho dos melhores.

Derrota monumental

Almir Melo (PMDB), de Canavieiras, está no time dos 127 prefeitos que perderam a eleição.

E o pior, ficou em terceiro. Disse que respeita o resultado e culpou a crise.

Velho Chico respira

O Velho Chico completou ontem, 515 anos que foi descoberto e batizado por Américo Vespúcio, com um fio de esperança: o vice-presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, Maciel Oliveira, ribeirinho de Penedo, diz estar confiante nas ações de recuperação que estão em curso no governo.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é Jornalista político, Diretor de Jornalismo do Bahia.ba, e titular da Coluna Tempo Presente do Jornal A Tarde.

PUBLICIDADE