Publicado em 16/01/2019 às 17h26.

Gabinete de Bolsonaro marcava ponto de filha de Queiroz que atuava no RJ

Dados oficiais atestam que Nathalia Queiroz cumpriu 40 horas semanais entre 2016 e 2018 sem faltas injustificadas ou licenças enquanto trabalhava de personal trainer no Rio de Janeiro

Redação
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal
Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

 

Por meio de dados oficiais da Câmara dos Deputados, foi comprovado que o gabinete do então deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) atestou a frequência normal de trabalho de sua ex-assessora Nathalia Melo de Queiroz, embora ela tenha trabalhado como personal trainer em horário comercial no Rio de Janeiro no mesmo período.

Nathalia é filha de Fabrício Queiroz, o ex-motorista de Flávio Bolsonaro (PSL) que movimentou em sua conta R$ 1,2 milhão entre janeiro de 2016 e janeiro de 2017, de acordo com o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Nathalia também é mencionada no documento porque teria repassado ao pai, R$ 84 mil.

Consta no banco de dados da Câmara que a personal trainer cumpriu uma jornada de 40 horas semanais entre 19 de dezembro de 2016 e 14 de outubro de 2018, período em que estava lotada no gabinete. Não há registros de faltas injustificadas ou licenças em seu nome. Seu salário era de R$ 10 mil mais benefícios.

Segundo as regras da Câmara, cabe ao deputado fazer o registro do controle de frequência de seus funcionários mensalmente, mas a atividade pode ser delegada a um assessor do gabinete. Assessores parlamentares podem atuar em Brasília, no Congresso Nacional, ou nas bases dos deputados em seus respectivos Estados.

No fim do ano passado, Bolsonaro se irritou ao ser questionado sobre a atuação de Nathalia em seu gabinete e respondeu apenas que a pergunta deveria ser feita ao seu chefe de gabinete. O Estado questionou a Câmara oficialmente sobre quem era o responsável por atestar a frequência dos funcionários do gabinete de Bolsonaro, mas não obteve resposta.

A reportagem também questionou qual era o trabalho específico desenvolvido por Nathalia para o gabinete mas a Câmara respondeu apenas com as atribuições gerais do cargo de secretário parlamentar, que são: redação de correspondência, discursos e pareceres do parlamentar, atendimento às pessoas encaminhadas ao gabinete, execução de serviços de secretaria e datilográficos, pesquisas, acompanhamento interno e externo de assuntos de interesse do deputado, condução de veículo de propriedade do parlamentar, recebimento e entrega de correspondência, e outras atividades afins inerentes ao respectivo gabinete. Com informações da Exame.