Publicado em 10/04/2017 às 19h11.

Nova gestão de ACM Neto ainda não enviou projetos à Câmara

Segundo mandato do prefeito de Salvador completou, nesta segunda-feira (10), 100 dias

Rodrigo Daniel Silva
Foto: Roberto Viana/ Ag. Haack/ bahia.ba
Foto: Roberto Viana/ Ag. Haack/ bahia.ba

 

A segunda gestão do democrata ACM Neto na Prefeitura de Salvador completou 100 dias nesta segunda-feira (10). Quase quatro meses depois de tomar posse novamente no cargo, o prefeito ainda não mandou um projeto sequer para a Câmara de Vereadores de Salvador.

Promessas de que propostas serão emitidas à Casa em breve não faltam. Dentre elas, o “Simplifica”, que visa acelerar a economia da cidade, e o Plano Municipal Costeiro, alvo de polêmica, pois pretende desativar o Porto de Salvador. Ambos haviam previsão de serem encaminhados em março ao Legislativo, mas tiveram os prazos postergados. A expectativa agora é de que o envio ocorra este mês.

No ano passado, o prefeito endereçou à CMS, ao todo, 17 projetos. Muitos deles em plena campanha eleitoral, o que motivou críticas da oposição por supostamente compor um plano do gestor soteropolitano de promover a sua candidatura à reeleição.

Entre janeiro e abril de 2016, quatro mensagens do Executivo municipal foram encaminhadas: o Plano de Educação; a proposta que autorizava o Poder Executivo a celebrar contrato de concessão de uso de bem público e promover a sua doação; a regulamentação do serviço de mototáxi; e do Glauber Rocha, retirada de pauta este ano após polêmica entre prefeitura e governo. Também foram enviados o Programa Revitalizar, o novo regramento do Regime Especial de Direito Administrativo (Reda), o Plano de Arborização, a criação do Viva Cultura, a Lei de Ordenamento do Uso e da Ocupação do Solo (Louos) e pedidos de empréstimos ao BID e ao BIRD.

Ao bahia.ba, o vice-líder do governo, Duda Sanches (DEM), justificou que ACM Neto se preparou para um mandato de quatro anos e enviou ainda em 2016 todas as matérias que queria aprovar na sua primeira passagem pelo Palácio Thomé de Souza. “Mas muita coisa boa vem por aí”, garantiu o aliado.

Os dois próximos projetos previstos para serem votados na Câmara serão testes para a base da maioria, já que parte dos integrantes demonstrou descontentamento com o novo início da administração municipal. Nesta quarta-feira (10), foi a vez de o vereador Odiosvaldo Vigas (PDT) criticar o secretário municipal de Saúde, José Antonio Rodrigues.

As propostas do Revitalizar e de desoneração de tributos da Linha Viva precisam de 29 votos. Neto tem 31 aliados, no entanto, o presidente da Casa, Leo Prates (DEM), não pode emitir sufrágio. Apesar da expectativa de uma votação apertada, vereadores ouvidos pelo bahia.ba apostam na aprovação das matérias por acreditar que os aliados não vão querer se indispor com o prefeito logo no começo da segunda gestão.

Mais notícias