Publicado em 23/01/2018 às 18h43.

Dentista acusada de racismo sofre de esquizofrenia, apontam laudos

Heloísa Onaga Kawachiya foi detida após ofender racialmente funcionários negros de delicatessen; ela foi liberada um dia depois

João Brandão / Rodrigo Aguiar

Dois laudos médicos apresentados pela defesa da dentista Heloísa Onaga Kawachiya, acusada de racismo contra funcionários da delicatessen Bonjour, na Pituba, atestam que ela sofre de esquizofrenia.

Conforme a conclusão dos documentos, Heloísa não seria capaz de responder por seus atos civis, em decorrência de seu estado mental. O relatório mais antigo que aponta a esquizofrenia da paciente é de 2008.

A dentista foi presa no último dia 6 de janeiro, após ofender racialmente empregados da delicatessen, ao dizer que se recusava a ser atendida por funcionários negros.

Um dia depois, Heloísa foi liberada após sua defesa apontar a existência de transtorno mental. Ela responderá em liberdade.

Na decisão, a juíza Luciana Amorim ressaltou que a mulher não poderá mudar de residência sem autorização da Justiça e deve comparecer todas as vezes que for intimada para atos do inquérito e da instrução criminal, sob pena de revogação da liberdade.