Publicado em 13/06/2018 às 17h06. Atualizado em 13/06/2018 às 18h21.

Servidores fecham Rua Chile por falta de diálogo com a prefeitura

A categoria realizou mais uma assembleia da campanha salarial na tarde desta quarta-feira (13), em frente a Câmara Municipal, e promete paralisação a partir de segunda (18)

Rayllanna Lima
Foto: Divulgação/Sindseps
Foto: Divulgação/Sindseps

 

Após realizar mais uma assembleia da campanha salarial na tarde desta quarta-feira (13), centenas de servidores municipais de Salvador decidiram bloquear a Rua Chile, na Praça Municipal, a fim de chamar a atenção do prefeito ACM Neto, que não estaria aberto para dialogar com a categoria.

Ao bahia.ba, o Sindicato dos Servidores da Prefeitura do Salvador (Sindseps) informou que “o protesto é devido a intenção do prefeito de retirar o avanço de nível salarial do biênio, na ordem de 5,5%, para os servidores da Saúde”, além de ainda não ter apresentado uma contraproposta para a pauta de reivindicações da categoria, que prevê aumento linear de 23,5% para os salários e para o auxílio alimentação.

Projeto – A matéria enviada à Câmara de Vereadores pelo prefeito ACM Neto, que está previsto para ser votada na próxima segunda-feira (18), solicita a retirada do artigo 37, este que determina progressão anual nos salários.

A categoria defende que a retirada do artigo trará prejuízos aos trabalhadores, uma vez que acréscimos no salário seriam retirados.

De acordo com o Sindseps, será mantido o estado de mobilização e mais ações deverão ser realizadas em frente a Casa Legislativa.

A partir da próxima segunda-feira (18), a categoria promete paralisar as atividades por 72 horas. “Faremos assembleias segunda, terça e quarta, a partir das 13h30”.

Prefeitura – No início desta noite, a Secretaria Mundial da Saúde (SMS) emitiu nota esclarecendo que o projeto de lei não objetiva a supressão do direito a progressão funcional do servidor.

“O texto apenas estabelece que tal progressão deverá ser necessariamente precedida de avaliação de desempenho, levando em conta itens como a pontualidade e produtividade dos trabalhadores. Com tal medida, a sistemática de progressão dos servidores passará a ser idêntica a dos demais colaboradores da Prefeitura, deixando, portanto, de ser automática, como ocorre atualmente, valorizando a meritocracia”.