Publicado em 12/02/2018 às 10h06.

Coaraci tem epidemia simultânea de dengue, zika e chikungunya

De acordo com relatório da Sesab, a cidade, ao sul da Bahia, "apresenta uma tríplice epidemia, considerando parâmetro do Ministério da Saúde”

Redação
Foto: Venilton Kuchler/ ANPr.
Foto: Venilton Kuchler/ ANPr.

 

O município de Coaraci, na região Sul da Bahia, vive uma epidemia simultânea de três doenças transmitidas pelos famigerado mosquito Aedes Aegypti: dengue, zika e chikungunya. De acordo com o relatório anual de arboviroses da Secretaria da Saúde da Bahia (Sesab), a cidade, com 19 mil residentes, é
a única no estado que ultrapassou, em 2017, o coeficiente de 100 casos por 100 mil habitantes.

“Dessa forma, o município de Coaraci apresenta uma tríplice epidemia, considerando parâmetro do Ministério da Saúde”, diagnostica o relatório da Sesab, divulgado esta semana. Em 2017, a cidade notificou 20 casos suspeitos de zika, 75 de Dengue e 26 de chikungunya. No ano anterior foi pior: 191 notificações de zika, 200 de dengue e 18 de chikungunya.

Em toda a Bahia, foram notificados, em 2017, 2.588 casos suspeitos de zika, 10.423 de chikungunya e 9.283 casos prováveis de dengue. O coeficiente de incidência ficou em 17 casos/100 mil habitantes para a zika, de 68,6 casos/100 mil para a chikungunya e de 61,1 casos/100 mil moradores para a dengue.

Ainda segundo o relatório de 2017 da Sesab, 108 municípios não notificaram casos das três arboviroses. A macrorregião Extremo-Sul foi a mais atingida pelas três arboviroses no período, concentrando 43% dos casos notificados no Estado. As macrorregiões Leste e Sul foram responsáveis por 16,4% e 11,9% dos casos, respectivamente.