Publicado em 06/11/2018 às 12h40.

Lobão: ‘Máfia do dendê’ e ‘coronelato da MPB’ monopolizam Lei Rouanet

Rockeiro voltou a fazer críticas ao ex-ministro da Cultura Gilberto Gil e a Caetano Veloso: "Pra ser alguém tem que beijar a mão desses caras"

Luiz Felipe Fernandez
Foto: Reprodução/YouTube
Foto: Reprodução/YouTube

 

Em entrevista ao Programa Pânico, da rádio Jovem Pan, o cantor Lobão opinou sobre a Lei Rouanet e afirmou que os maiores beneficiários pertencem ao “coronelato da MPB” e à “máfia do dendê”, em referência a nomes como o ex-ministro da Cultura Gilberto Gil e Caetano Veloso.

” Pra ser alguém tem que beijar a mão desses caras. Anitta foi lá beijar a mão de Gilberto Gil […] Nos anos 90, Alexandre Pires teve que sentar no colo de Caetano”, disse o rockeiro.

Na opinião do músico, a Lei Rouanet é uma forma de manter o monopólio entre os artistas já consagrados. Segundo ele, essas figuras mantém um “poder político”.

“O problema não é o que eles fazem agora, porque são múmias deprimidas no formol, ‘fosserizadas’. O problema é que eles tem um poder político. O Ministério da Cultura é um feudo do PCdoB”, disparou Lobão.

A Lei Rouanet, que oferece isenção de tributos para empresas que atenderem ao edital, não consegue inserir artistas de menor expressão por garantirem o mesmo lucro, de acordo com o cantor. Para ele, a medida se tornou um “arcabouço” desde a presença de Gil no ministério da Cultura, entre 2003 e 2008.

“Você reconhece a tribo do coronelato, a máfia do dendê, donos das trilhas sonoras das novelas da Rede Globo. São Caetano e Gil desde os anos 60, tem uma dinastia. Agora tem a Preta Gil, tem os filhos de Caetano”, ressalta.

Veja aqui: