Publicado em 07/08/2018 às 14h06.

Bunker de Geddel: Supremo marca depoimento do delator Lúcio Funaro

Delator cumpre prisão domiciliar e será ouvido na sede da Seção Judiciária do Estado de São Paulo no dia 30

Juliana Almirante
Foto: EBC
Foto: EBC

 

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, relator do caso dos R$ 51 milhões achados em um apartamento em Salvador atribuídos ao ex-ministro Geddel Vieira Lima, determinou o dia 30 de agosto como data da oitiva do delator Lúcio Funaro, em despacho na segunda-feira (6).

Ele será ouvido na sede da Seção Judiciária do Estado de São Paulo.  Acusado de ser operador financeiro de esquemas de corrupção do antigo PMDB (atual MDB) na Câmara Federal, Funaro é testemunha de acusação na ação penal no STF. Ele cumpre prisão domiciliar em Vargem Grande do Sul (SP) desde o ano passado.

A Procuradoria Geral da República (PGR) aponta como possível fonte dos R$ 51 milhões propinas da construtora Odebrecht, repasses de Lúcio Funaro e desvios de políticos do MDB.

Também foi marcado, entre outros depoimentos, o do secretário Municipal de Infraestrutura e Obras Públicas, Antônio Almir Santana Melo Jr. Ele será intimado como testemunha de defesa dos réus.

São réus no processo o ex-ministro, o irmão dele, deputado federal Lúcio Vieira Lima (MDB), a mãe deles, Marluce Vieira Lima, o assessor Job Brandão e o executivo da construtora Cosbat Luiz Fernando Machado Costa Filho.

Em julho desse ano, Geddel foi absolvido em outro processo em que era acusado de tentar evitar a delação de Funaro.

Acesso – Também nesta segunda-feira (6), Fachin deferiu o pedido feito pela Comissão de Ética da Câmara dos Deputados que apura quebra de decoro do deputado Lúcio Vieira Lima para ter acesso à denúncia. Funaro também foi listado para depor no colegiado.