Publicado em 08/11/2015 às 11h45.

Papa Francisco garante continuidade de reformas

Chefe da Igreja Católica garante que divulgação de escândalos financeiros não vai mudar rumos das mudanças em curso no Vaticano

Agência Estado

Em seus primeiros comentários públicos sobre o mais recente escândalo no Vaticano, o papa Francisco disse a fiéis na Praça de São Pedro neste domingo (8) que o roubo de documentos descrevendo malfeitos financeiros dentro da Santa Sé é um crime. Ele defendeu, porém, a continuidade de reformas.

O papa afirmou que a publicação de documentos em dois livros lançados na semana passada é “um ato deplorável e não ajuda”. Os livros “Mercadores no Templo”, de Gianluigi Nuzzi e “Avareza”, de Emiliano Fittipaldi, detalham erros de gestão e alegam ganância no Vaticano. As publicações são vistas como parte de uma disputa interna amarga entre reformadores e a chamada “velha guarda”.

“Esse fato triste certamente não vai me distrair do trabalho de reforma que eu e meus colaboradores estamos buscando com o apoio de todos vocês”, declarou o pontífice, frase que foi recebida com comemoração pela plateia.

Entre os relatos de “Mercadores do Tempo”, Nuzzi escreve que o custo da santidade pode chegar a meio milhão de dólares e conta ainda sobre um monsenhor que teria quebrado a parede de seu vizinho, um padre doente, para expandir seu próprio apartamento.

O papa Francisco ressaltou que os documentos eram resultado da reforma em curso que ele instituiu e que medidas já estavam sendo tomadas para endereçar os problemas. Essas iniciativas já começaram a mostrar resultados, acrescentou.

“Quero agradecer vocês e pedir que continuem a orar pelo papa e pela Igreja sem ficarem tristes”, disse o papa.

O pontífice tornou uma prioridade a reforma da burocracia no Vaticano. Ele apontou uma comissão de oito especialistas em 2013 para reunir informações e fazer recomendações depois que fatos expostos levaram seu predecessor, o Papa Bento XVI, a uma renúncia histórica. Dois antigos membros dessa comissão foram presos como parte da investigação sobre documentos roubados. Fonte: Associated Press.

 

PUBLICIDADE