Publicado em 13/03/2019 às 11h30.

Fieb chama Joice Hasselmann para ver o Cimatec. Aqui, o jogo é limpo

Segundo Raul Menezes, presidente do Conselho da Micro e Pequena Empresa Industrial da Fieb, ela, além da proximidade com Bolsonaro, tem forte penetração midiática

Levi Vasconcelos
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

Joice Hasselmann (PSL), a jornalista que o ano passado tornou-se a mulher que se elegeu deputada federal por São Paulo, mais votada da história do Brasil (1.078.666 de votos), no rastro do fenômeno Bolsonaro, estará em Salvador, onde vai passar o fim de semana e ficará a segunda também.

Vem a convite da Federação das Indústrias da Bahia (Fieb) e será anfitrionada pelo presidente Ricardo Alban, com um foco bem definido: vai conhecer o Cimatec, um dos mais avançados núcleos de pesquisas de tecnologias industriais do mundo, o Sesi e também o Senac.

A facada

Segundo Raul Menezes, presidente do Conselho da Micro e Pequena Empresa Industrial (Comind) da Fieb, Joice Hasselmann, além da proximidade com Bolsonaro, tem forte penetração midiática.

— Ela tem cinco milhões de seguidores. É formadora de opinião influente.

Em miúdos: Paulo Guedes, o ministro da Economia, já havia anunciado que iria dar ‘uma facada’ no Sistema S, discurso que ganhou uma boa vitaminada semana passada quando estourou a notícia de que o presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), José Tadros, acabou de comprar com dinheiro do Sistema S dois apartamentos de luxo em Ipanema, no Rio, para hospedar dirigentes da entidade.

Os baianos querem dizer a Joice que se há desvios por lá, na Bahia o jogo não apenas é limpo, mas também do bem.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é jornalista político, diretor de jornalismo do Bahia.ba e colunista de A Tarde.