Publicado em 15/02/2019 às 18h06.

Maioria dos procuradores da República se diz contra projeto de Raquel Dodge

Manifesto contra projeto da procuradora-geral que altera distribuição de casos no Ministério Público tem 619 assinaturas, incluindo a de Deltan Dallagnol

Redação
Foto: Reprodução/Agência Brasil
Foto: Reprodução/Agência Brasil

 

Procuradora-geral da República, Raquel Dodge continua enfrentando dificuldades entre seus comandados após a apresentação do seu projeto que cria “ofícios especializados de atuação concentrada em polos”. Na prática, a medida altera a forma de distribuição de casos entre os procuradores de todo o país.

Em protesto contra o projeto, ao longo desta semana, a ameaça de abandono das funções voluntárias foi cumprida por pelo menos 207 procuradores, o que representa 370 funções entregues, segundo balanço da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR).

Já nesta sexta-feira (15), um manifesto assinado por 619 procuradores (mais da metade dos 1.151 membros do MPF) foi entregue a Dodge.

Entre os que assinam o manifesto contra a procuradora-geral, estão o coordenador da Operação Lava-Jato no Paraná, Deltan Dallagnol, a procuradora Thaméa Danelon, da Lava-Jato em São Paulo, e o procurador regional da República José Augusto Vagos, da Lava-Jato no Rio.
Raquel Dodge argumenta que a ideia de seu projeto é dar mais eficiência ao MPF. No entanto, os críticos dizem que, como foi elaborado, o projeto pode levar à concentração de poder na cúpula do órgão, reduzindo o poder de atuação dos procuradores.