Publicado em 04/01/2017 às 09h45.

Na UPB, a luta de 2018 entre Rui e Neto tem primeiro round

Lógico que Neto nega a disputa, como se a parte seleta da plateia não já tenha percebido que tais negativas são joias estratégicas da política

Levi Vasconcelos

Frase da vez

“Se dois amigos pedirem para você julgar uma disputa, não aceite, porque você irá perder um amigo; por outro lado, se dois estranhos pedirem o mesmo, aceite, porque você irá ganhar um amigo” 

Agostinho de Hipona ou Santo Agostinho, teólogo e filósofo católico (354-430)

Foto: Mateus Pereira/GOVBA
Foto: Mateus Pereira/GOVBA

Só duas pessoas sabem: Deus e o mundo, que se o cenário caminhar como o de hoje, ACM Neto vai largar a Prefeitura de Salvador para enfrentar Rui Costa nas urnas.

Lógico que Neto nega, como se a parte seleta da plateia não já tenha percebido que tais negativas são joias estratégicas da política:

Negar sempre sim, mesmo coisas boas. Se você mentiu porque realizou o que negou que ia fazer, é a mentira do bem. Critica zero. E não fez, já está dito.

Neto sempre nega candidaturas. Negou em 2012 e em 2016 tampa dos ouvidos de todo mundo mesmo na boca das respectivas convenções. Não seria agora, mais de dois anos antes, que ele cometeria uma bobagem desse naipe. Em suma, ele pode não dizer o que realmente pensa, mas pensa muito no que diz.

E eis que tudo parecia que a UPB caminhava para uma tranquila eleição de candidato único, tendo o prefeito de Bom Jesus da Lapa, Eures Ribeiro (PSD), como cabeça, entrou água no navio: o prefeito de Euclides da Cunha, Luciano Pinheiro (PDT), anunciou que é candidato e diz ter o apoio de mais de 100 colegas.

Luciano diz que a candidatura nasceu em Guarajuba, no encontro de prefeitos, em dezembro, quando um grupo de pretensos candidatos se reuniu e escolheu Eures:

— A UPB deve ser uma entidade independente e Eures quer fazer dela trampolim para se eleger deputado federal. Nossa proposta é voltada para os interesses dos municípios.

Ele diz que a candidatura dele é suprapartidária, mas não é bem isso que se diz nos bastidores. No bolo dos mais de 100 prefeitos que o apoiam estão dois que bem dão o sinal da disputa: ACM Neto, de Salvador, e Zé Ronaldo, de Feira de Santana, ambos do DEM.

É o esperado duelo Rui x Neto de 2018 que solta mais uma lufada de centelhas.

Palco de encontros e confrontos

A UPB é a entidade que reúne os 417 prefeitos baianos, como uma espécie de sindicato. Tem receita de pouco mais de R$ 400 mil mensais, segundo a atual presidente Maria Quitéria, de Cardeal da Silva. Mais da metade é gasta com pessoal.

Mas vez ou outra é palco de embates entre governistas e oposicionistas. A última delas, em 2012, quando Luiz Caetano, então prefeito de Camaçari, enfrentou Roberto Maia, prefeito de Bom Jesus da Lapa, que foi abençoado por Geddel, agasalhado pela oposição e ganhou. Na eleição seguinte, Caetano tomou e os governos petistas surfam lá com aliados desde então.

Na última eleição, em 2012, Quitéria disputou com o prefeito Wilson Paz, de Andaraí. Mas foi tudo coisa interna mesmo.

Levi Vasconcelos

Levi Vasconcelos é Jornalista político, Diretor de Jornalismo do Bahia.ba, e titular da Coluna Tempo Presente do Jornal A Tarde.