Publicado em 06/12/2018 às 21h20.

PGR inclui e-mails de Marcelo Odebrecht em inquérito que investiga Renan

Senador é investigado por supostamente receber pagamentos da empreiteira em troca da aprovação de medida provisória

Redação
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

 

E-mails do empresário Marcelo Odebrecht foram incluídos pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, em inquérito que investiga o senador Renan Calheiros (MDB-AL) e seu filho, o governador de Alagoas, Renan Filho (MDB), por corrupção e lavagem de dinheiro, de acordo com informações da Folha.

O ex-presidente do Senado é investigado por supostamente receber pagamentos da empreiteira para financiar a campanha do filho em 2014, em troca da aprovação da medida provisória 677/2015.

Ex-diretor de relações institucionais da empresa, Cláudio Melo Filho informou, em delação, que Calheiros intermediou doações eleitorais ao então candidato ao governo de Alagoas.

A propina teria sido paga, de acordo com Melo, pelo presidente da Braskem, Carlos Fadigas, como doação oficial no valor total de R$ 320 mil, dos quais R$ 200 mil repassados diretamente ao candidato e outros R$ 120 mil por meio do diretório estadual do MDB.

Com a aprovação da MP, a Braskem, empresa do grupo Odebrecht, conseguiu a renovação de contratos de concessão de energia até 2037, o que beneficiou plantas de fábricas instaladas em estados do Nordeste.

Além de incluir os e-mails no inquérito, Dodge também solicitou a prorrogação por 60 dias do prazo para conclusão das investigações.