Publicado em 22/11/2017 às 15h20.

Preso pela Lava Jato, ex-Transpetro era ‘bom profissional’, diz petista

Ex-vereador em Madre de Deus e membro da executiva estadual do PT, Anisvaldo Daltro afirma que ficou "sentido" com prisão de José Antônio de Jesus

Rodrigo Aguiar

Preso temporariamente nesta terça-feira (21), o ex-gerente da Transpetro José Antônio de Jesus, conhecido como Zangado, era “um bom profissional, tido como um profissional de resultados”, afirmou ao bahia.ba Anisvaldo Daltro, ex-vereador de Madre de Deus pelo PT e membro da executiva estadual do partido.

“Fiquei muito sentido, porque conheço ele. Sei o profissional que é, a capacidade que ele tem de fazer entregas”, disse Daltro, ao comentar a operação contra Jesus e seus parentes, que teriam operacionalizado o recebimento de R$ 7 milhões em propina, conforme o Ministério Público Federal (MPF).

Em delação premiada, Luiz Fernando Maramaldo, da NM Engenharia, afirmou que, em meados de 2009, foi procurado por Jesus, que teria solicitado o pagamento de 1% do valor dos contratos da empresa de engenharia com a Transpetro.

“Fiquei surpreso porque, na época em que conversávamos, ele brigava muito com a NM, porque ela não dava os resultados”, acrescentou Daltro.

Relação com o partido – Ainda segundo o delator, ao negociar o pagamento de propina, o ex-gerente da Transpetro dizia que os pagamentos eram destinados ao PT.

Em 2010, Jesus doou R$ 2 mil ao comitê financeiro da sigla na Bahia. Apesar disso, Daltro diz que Jesus não tinha relações partidárias e era um homem de “poucos amigos” e “poucos sorrisos”, o que lhe rendeu o apelido de Zangado. “Ele nunca foi muito de política, não tinha identidade com o partido”, declarou o ex-vereador.

Ainda assim, Jesus tentou ser gerente-geral da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), onde trabalhou antes da Transpetro. “Ele era gerente na RLAM, chegou a ocupar o segundo cargo mais importante lá. Mas o desejo dele era ser gerente-geral”, relatou o petista. Após não conseguir firmar apoios para alcançar o objetivo, Jesus terminou deslocado para a Transpetro.

Campanha – Em material divulgado durante uma das eleições do Sindicato dos Petroleiros (Sindipetro), Jesus e Daltro aparecem entre ex-sindicalistas petroleiros da Bahia em cargos de gerente que seriam “apoiadores da chapa 2”.

No texto, feito por uma coligação adversária, Jesus é descrito da seguinte forma: “Mais conhecido por ‘Zangado’, é oriundo da RLAM, sempre odiou sindicalista e sindicato. Até Lula chegar ao poder. Com isso descobriu a possibilidade de ser ‘Gerentão’, sendo assim virou amigo dos sindicalistas da Articulação/Chapa 02, em especial de Daltro”.

Ainda segundo o material, Jesus seria um dos principais responsáveis pela captação de recursos para a campanha de Daltro a vereador em 2008, o que é negado pelo petista.

“Ele não teve relação nenhuma com a minha campanha. Tínhamos uma relação profissional. Ele é da Petrobras, e eu também. Quando ele foi para o terminal, eu estava trabalhando lá”, afirmou o ex-vereador.

PUBLICIDADE