Publicado em 16/05/2018 às 06h06. Atualizado em 16/05/2018 às 06h39.

Assembleia de rodoviários atrasa 900 ônibus da periferia e miolo da capital

A previsão é que a rotina nas garagens onde ocorrem as reuniões só seja retomada às 8h, quando os ônibus serão liberados

Luís Filipe Veloso
Foto: Divulgação/ CUT-BA
Foto: Divulgação/ CUT-BA

 

A assembleia dos rodoviários programada para esta quarta-feira (16) não afetou todo o sistema de transporte público de Salvador, conforme esperado, mas atrapalha a vida de quem desde o fim da madrugada tenta pegar um ônibus em bairros como Cabula, Cajazeiras, Castelo Branco, Águas Claras, Pirajá, Valéria e Pau da Lima. São, ao todo, 900 veículos parados.

A categoria realiza o protesto desde as 3h em cinco garagens e prioriza os coletivos da Integra OT Trans, concessionária cujos veículos têm cor predominantemente verde, que opera as linhas do miolo e da periferia da capital.

Em contato com o bahia.ba, o presidente do Sindicatos dos Rodoviários e vereador de Salvador, Hélio Ferreira (PCdoB), informou que o principal ato ocorre na maior sede da OT Trans, antiga garagem da empresa Modelo, localizada em Pirajá, e tem a proposta de debater com os trabalhadores a campanha salarial da categoria.

Segundo o sindicalista, as concessionárias evitam a negociação e neste ano sugerem a diminuição de direitos: “Os empresários propõem a retirada dos postos de trabalho dos cobradores [por meio da automatização do sistema], o não pagamento de horas extras e implantação de banco de horas e a retirada de um dos domingos de folga dos trabalhadores”.

Motoristas, cobradores, despachantes e demais funcionários do sistema exigem reajuste de 6% nos salários e aumento no tíquete refeição.

A previsão é que a rotina nas garagens onde ocorrem as assembleias só seja retomada às 8h, quando os ônibus serão liberados.