Publicado em 14/05/2018 às 20h07.

Greve dos rodoviários poderá ser definida em assembleia na quinta-feira

A categoria pede reajuste salarial de 6%, que não estaria sendo aceito pelos empresários, e promete "uma greve que essa cidade nunca viu"

Rayllanna Lima
Foto: Luciano Diniz/Ônibus Brasil
Foto: Luciano Diniz/Ônibus Brasil

 

A falta de acordo entre os rodoviários e os patrões pode deixar os moradores da capital baiana sem ônibus a partir da próxima segunda-feira (21). De acordo com o vice-presidente do Sindicato dos Rodoviários, Fábio Primo, uma assembleia está marcada para essa quinta-feira (17), quando a categoria deverá definir se inicia o estado de greve.

Em entrevista ao bahia.ba, Primo pontuou que entre as reivindicações está o reajuste salarial de 6%, além de 10% do ticket de alimentação. Todavia, “ao invés de garantir melhorias”, o sindicato patronal estaria querendo “tirar o direito dos trabalhadores, como o domingo de folga” e “extinguir o cobrador”.

“O caminhar das negociações aponta para isso [paralisação]. A intenção da categoria não é greve, mas se não existir uma proposta que nos contemple, é isso que vai acontecer. A categoria está muito unida. Vamos fazer uma greve que essa cidade nunca viu. Se não houver acordo, a cidade vai sofrer”, garantiu.

Para cumprir a lei, após decretar estado de greve, os rodoviários devem esperar cerca de 72 horas para paralisar as atividades. “Após a assembleia, seguiremos os trâmites legais. Se não houver proposta, faremos editais, avisaremos as empresas e a sociedade. Faremos uma greve legal”, afirmou.

A data-base da categoria é 1º de maio, mas historicamente o acordo entre as partes ocorre ao longo do mês.

Procurado pelo bahia.ba, o assessor de Relações Sindicais do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Salvador (Setps), Jorge Castro, informou que vai se pronunciar sobre o impasse após uma reunião que acontecerá nessa quarta-feira (16), no Ministério Público do Trabalho (MPT), entre os rodoviários e os empresários.