Publicado em 12/01/2019 às 19h30.

Marinha terá de remover pintura irregular em área interna do Farol da Barra

Segundo o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), intervenção não foi autorizada por técnicos do órgão

Redação
Maria do Brasil/Instagram
Maria do Brasil/Instagram

 

A Marinha do Brasil terá de remover uma inscrição feita na laje de uma estrutura anexa ao Farol da Barra, um dos principais pontos turísticos de Salvador.

Segundo reportagem do jornal Folha de S. Paulo, trata-se de uma intervenção irregular, uma vez que não foi autorizada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), órgão federal.

De acordo com a publicação, “a novidade” foi anunciada pela própria Marinha por meio de seu perfil no Instagram: “Finalizamos a primeira sexta-feira do ano com um dos mais belos cartões postais do Brasil, o farol de Santo Antônio, mais conhecido como farol da Barra”, dizia o texto.

“A foto aérea mostra a recente alteração realizada no telhado, que agora sinaliza o nome ‘Marinha do Brasil'”, prosseguiu a publicação.

Após questionamentos da Folha, a superintendência do Iphan na capital baiana respondeu, em nota, que a pintura terá de ser removida. Afirmou também que qualquer alteração no conjunto arquitetônico do equipamento precisa ter o seu aval.

Procurado pelo diário paulista, o comando do 2º Distrito Naval disse em nota que “a Marinha do Brasil está tomando as providências julgadas cabíveis junto aos órgãos competentes” para regularizar a situação do farol.

A força militar afirmou, contudo, não considerar a intervenção ilegal: “A Marinha entende que a pintura foi feita em material recentemente instalado, não danificando ou mesmo alterando o patrimônio cultural”.

Ainda segundo o comunicado, a Marinha diz administrar o forte desde 1939 e que “continua imbuída em manter o farol da Barra no mais alto grau de conservação, como tem feito desde então”.

PUBLICIDADE