Publicado em 06/11/2019 às 10h20.

Óleo volta a atingir Alcobaça, localizado em um dos polígonos de Abrolhos

Não há a estimativa, até o momento, da quantidade da substância que chegou ao local

Redação
Foto: Marcelo Lourenço/ICMBio
Foto: Marcelo Lourenço/ICMBio

 

Foi relatada na manhã desta quarta-feira (6) a chegada de novas manchas de óleo em Alcobaça, município localizado em um dos polígonos de proteção do arco de recifes costeiros do Parque de Abrolhos. Não há a estimativa, até o momento, da quantidade da substância que chegou ao local.

A chegada de uma nova leva de petróleo cru, relatada pelo jornal Correio, que obteve a informação do biólogo Rodrigo Leão de Moura, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e um dos coordenadores da Rede Abrolhos, já era prevista com o início da maré de sizígia, que gera mais força na circulação das correntes marítimas.

As visistas ao Parque de Abrolhos, que abriga a maior biodiversidade marinha do Oceano Atlântico Sul, já estavam suspensas até o dia 14 de novembro. A suspensão ocorreu no último domingo (3), um dia depois dos primeiros relatos de chegada do óleo ao Arquipélago de Abrolhos.

O Parque é constituído por dois polígonos: um que protege o arco de recifes costeiros localizado entre os municípios de Alcobaça e Prado e outro que abrange o Arquipélago dos Abrolhos, composto pelas ilhas Redonda, Siriba, Sueste, Guarita e Santa Bárbara.

O local passa por monitoramento diário com navios da Marinha, drones, mergulhadores, voluntários, embarcações de pescadores voluntários, pesquisandores e ONGs, além da equipe do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

Em nota divulgada nesta terça-feira (5), o instituto informou que foi montada uma barreira de contenção, feita de lona sintética e barras de aço verticais, no estuário do Rio Caravelas. O equipamento tem 84 centímetros de altura – 42 cm ficam dentro d’agua e 42 cm ficam fora d’agua.

Além do Parque, as manchas de óleo chegaram a 31 cidades baianas. São elas: Mucuri, Nova Viçosa, Salvador, Santa Cruz Cabrália, Conde, Jandaíra, Mata de São João, Lauro de Freitas, Camaçari, Ilhéus, Prado, Caravelas, Porto Seguro, Camamu, Belmonte, Valença, Nilo Peçanha, Jaguaripe, Alcobaça, Una, Ituberá, Uruçuca, Esplanada, Canavieiras, Igrapiúna, Itacaré, Cairu, Maraú, Itaparica, Vera Cruz e Entre Rios.

Os fragmentos de petróleo cru começaram a chegar na Bahia em 3 de outubro, quase um mês após o início do problema no país. O governo do estado decretou situação de emergência, que engloba, até o momento, 21 municípios.

PUBLICIDADE