Publicado em 23/09/2020 às 15h04.

Região Metropolitana de Salvador tem a menor prévia da inflação do Brasil, diz IBGE

Com a queda, prévia chegou a 0,18%; em agosto, número foi de 0,23%

Redação
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

A Região Metropolitana de Salvador registrou a menor prévia da inflação do país, com 0,18%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O número é menor que o registrado no mês anterior (0,23%), mas continua acima do índice em setembro do ano passado (-0,04%).

Conforme o IBGE, o IPCA-15 de setembro na RMS ficou abaixo do país como um todo (0,45%) e teve o menor aumento dentre as 11 áreas pesquisadas. As maiores variações ocorreram em Goiânia (1,10%) e Brasília (0,70%).

O IPCA-15 funciona como uma prévia da inflação oficial do mês, refletindo os preços coletados entre 14 de agosto e 11 de setembro.

No acumulado de janeiro a setembro de 2020, o IPCA-15 da RM Salvador acelerou para 1,83% (havia ficado em 1,65% em agosto). Está acima do índice do Brasil como um todo (1,35%) e continua o 3o mais alto dentre os 11 locais pesquisados.

Nos 12 meses encerrados em setembro, o índice acumula alta de 3,02%, na RM Salvador, também acelerando em relação aos 12 meses encerrados em agosto (2,80%) e se mantendo maior que o indicador nacional (2,65%).

Conforme os dados, a prévia da inflação no mês na RMS foi resultado de altas em cinco dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados, puxados por alimentação e bebidas (1,08%) e habitação (0,93%), sob efeito, respectivamente, das carnes (5,94%) e dos combustíveis domésticos e energia (1,21%).

Além de ser um dos principais responsáveis pela alta no grupo da alimentação, o óleo de soja foi o produto com maior aumento de preço no IPCA-15 de setembro (22,42%).

Dentre os grupos com deflação no IPCA-15 de setembro, na RMS, os destaques foram para saúde (-0,78%) e transporte (-0,52%), com influência, respectivamente, das quedas nos planos de saúde (-2,26%) e na gasolina (-2,66%), itens que mais seguraram o índice do mês.

No ano de 2020 (janeiro a setembro), o IPCA-15 da RMS tem alta acumulada de 1,83%, a terceira maior do país, acima do verificado no Brasil como um todo (1,35%). Nos 12 meses encerrados em setembro, o índice aumenta 3,02%, também mais que o nacional (2,65%).

Em setembro, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), calculado pelo IBGE, ficou em 0,18% na Região Metropolitana de Salvador (RMS), desacelerando novamente em relação ao registrado no mês anterior (0,23%), mas ficando acima do índice de setembro do ano passado (-0,04%).

O IPCA-15 de setembro na RMS ficou abaixo do país como um todo (0,45%) e teve o menor aumento dentre as 11 áreas pesquisadas. As maiores variações ocorreram em Goiânia (1,10%) e Brasília (0,70%).

O IPCA-15 funciona como uma prévia da inflação oficial do mês, refletindo os preços coletados entre 14 de agosto e 11 de setembro.

No acumulado de janeiro a setembro de 2020, o IPCA-15 da RM Salvador acelerou para 1,83% (havia ficado em 1,65% em agosto). Está acima do índice do Brasil como um todo (1,35%) e continua o 3o mais alto dentre os 11 locais pesquisados.

Nos 12 meses encerrados em setembro, o índice acumula alta de 3,02%, na RM Salvador, também acelerando em relação aos 12 meses encerrados em agosto (2,80%) e se mantendo maior que o indicador nacional (2,65%).

Os custos de alimentação (1,08%) e habitação (0,93%) são principais pressões em setembro, na RMS; quedas em saúde (-0,78%) e transporte (-0,52%) seguram resultado.

Entre os alimentos, a principal influência veio das carnes (5,94%), puxadas pela costela (8,72%). Mas também houve altas relevantes em itens como leite longa-vida (8,94%) e óleo de soja (22,42%), que teve o maior aumento dentre as centenas de itens pesquisador pelo IPCA-15.

Entre as despesas com moradia, a principal pressão veio dos combustíveis e energia (1,21%), puxados pelas altas no gás de botijão (2,61%) e na energia elétrica (0,73%).

Dentre os grupos com deflação no IPCA-15 de setembro, na RMS, os destaques foram para saúde e cuidados pessoais (-0,78%) e transportes (-0,52%), que deram as principais contribuições no sentido de conter o índice do mês.

No grupo transportes, o grande destaque foi a queda dos combustíveis (-2,55%), sobretudo da gasolina (-2,66%), item que, individualmente, foi o maior responsável para frear o aumento do índice na região.

Já no caso do grupo saúde e cuidados pessoais, a influência mais importante para conter o IPCA-15 de setembro, na RMS, veio dos planos de saúde (-2,26%) e com produtos para pele (-4,20%).