Publicado em 24/12/2015 às 09h00.

Seagri quer registro de larvicida para combater praga de lagarta

Prejuízos já são superiores R$ 2 milhões no Oeste Baiano

Redação

Após sofrer com prejuízos superiores a R$ 2 milhões no Oeste baiano, produtores rurais esperam o registro definitivo do larvicida benzoato de emamectina para auxiliar no combate da praga da lagarta Helicoverpa Armigera. “O decreto 8.591/2015, do governo federal, que autoriza o Ministério da Agricultura (Mapa), a renovar a autorização, por mais um ano, para uso emergencial do benzoato de emamectina é muito importante, mas não é a solução definitiva”, avalia o secretário de Agricultura da Bahia (Seagri), Vitor Bonfim.

O decreto, assinado pela presidente Dilma Rousseff, prorroga o estado de emergência fitossanitária em todo o país e permite a liberação o uso do inseticida benzoato de emamectina para estados que tiverem surtos da lagarta Helicoverpa Armigera, decisão que poderá ser estendida até a decisão final sobre o registro do defensivo. O benzoato de emamectina é utilizado em mais 70 países que possuem legislação rigorosa em termos de defensivos agrícolas, com eficiência comprovada.

O registro do Benzoato de Emamectina vem sendo pleiteado desde 2013 pela Seagri junto ao Ministério da Agricultura, quando a praga da lagarta Helicoverpa assolou o Oeste, atacando as plantações de milho, algodão e soja.

PUBLICIDADE
Temas: agricultura , seagri

Mais notícias