Publicado em 16/10/2019 às 06h42.

Sedes da Aspra em Salvador e no interior do estado são interditadas pela Justiça

Interdição, de acordo com a SSP, é fruto de uma decisão judicial; a Aspra lidera o movimento de policiais que decretou greve no último dia 8

Redação
Foto: Alberto Maraux/SSP
Foto: Alberto Maraux/SSP

 

Uma operação deflagrada pelo Ministério Público da Bahia (MP-BA), com apoio da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), interditou as sedes da Associação dos Policiais e Bombeiros Militares e seus Familiares (Aspra) em Salvador e no interior do estado na manhã desta quarta-feira (16).

De acordo com a SSP, a interdição, realizada por meio das Polícias Civil e Militar, é fruto de uma decisão judicial. A Aspra lidera o movimento de policiais que decretou greve no último dia 8.

Cumprem-se mandados de busca e apreensão em Salvador, Alagoinhas, Barreiras, Feira de Santana, Guanambi, Ilhéus, Irecê, Itaberaba, Itabuna, Jacobina, Jequié, Juazeiro, Paulo Afonso, Porto Seguro, Santa Maria da Vitória, Santo Antônio de Jesus, Senhor do Bonfim, Serrinha, Teixeira de Freitas e Vitória da Conquista.

Também foi determinado pela Justiça o bloqueio das contas movimentadas pela entidade. A ação é realizada por vinte promotores de Justiça.

A decisão, de acordo com a SSP, atende a pedido formulado pelo MP, que afirmou que “a entidade tem realizado assembleias incitando movimento paredista da classe dos policiais, afrontando o artigo 142 da Constituição Federal, e causando grave risco à segurança pública e à coletividade”.

Suposto atentado

Circularam nas redes sociais na madrugada desta quarta-feira (16) fotos e vídeos de um suposto atentado ao deputado estadual Soldado Prisco, líder da Aspra, e a outros integrantes da associação.

Em nota, a SSP afirma que “investiga a veracidade da ocorrência envolvendo um veículo e integrantes da Aspra” e que “o veículo passa por perícia e as pessoas presentes no caso serão ouvidas”.

PUBLICIDADE