Publicado em 22/12/2015 às 21h40.

‘Todos nós somos corruptos’, diz baiana em concurso de redação

A primeira e segunda colocadas são estudantes da Escola Municipal Jorge Amado, em Salvador

Redação
Trecho da redação de Liliana Rodrigues. Foto: MPF
Redação de Liliana, 14 anos, estudante da Bahia. Foto: MPF

A estudante Liliana Rodrigues, 14 anos, que cursa o 9º ano da Escola Municipal Jorge Amado, em Salvador, ficou em primeiro lugar no concurso de redação lançado pelo Ministério Público Federal da Bahia (MPF-BA). Para ela,  a corrupção ‘não é difícil de ver’. e não é um problema exclusivo de políticos: “Todos nós somos corruptos.”, disse ela em seu texto. O tema da redação foi “Corrupção, Não!”

“Evidentemente que nos mundo de hoje existe muita corrupção, mas não são só os políticos, não, engana-se quem acha que são eles que praticam a corrupção, nós também!”, escreveu Liliana Rodrigues. “Temos pessoas reclamando de senadores, vereadores, governadores, prefeitos e até mesmo de presidentes por serem corruptos, mas esquecemos de que nós mesmos fazemos parte desse esquema quando fazemos gato, subornamos policiais, furamos fila, estacionamentos em locais proibidos, o que não é difícil de ver.”

Liliana Rodrigues e Ruth Machado, alunas da Escola Municipal Jorge Amado. Foto: MPF

A segunda colocada foi a estudante do mesmo colégio, Ruth Machado, 14. Para ela, a corrupção é um tumor. “O povo é tão culpado pela corrupção quanto os governantes, porque aqueles que estão no poder são apenas um reflexo da sociedade. As pessoas cobram honestidade, mas subornam a polícia, clamam por Justiça, entretanto se fazem de cegos, surdos e mudos, ignorando a corrupção”, disse Ruth Machado.

Liliana e Ruth ganharam um tablet como prêmio. O concurso havia sido lançado pelo projeto ‘MPF vai às Escolas’ em setembro. Dur

 

redacao-liliana

redacao-ruth

 

 

redacao-eviane

 

Em terceira colocação, Eviane de Amorim Souza utilizou o termo “analfabeto político” e frisou que a educação e o combate à corrupção também é um dos principais papéis das escolas. “Quanto mais contato nós temos com ela, menos tempo nós temos para presenciar maus exemplos e até o contato com o tráfico.”

Inquietas –  O que essas três estudantes têm em comum? A inquietação que atinge boa parte dos brasileiros com o futuro do Brasil diante de tantos escândalos de corrupção deflagrados nos últimos anos.  “Não temos: saúde, segurança e educação adequada.” Mas tem jeito. “Precisamos de politicos de verdade, que façam a diferença, que tenham força de vontade de mudar o País, mas temos também deveres: pesquisar, analisar e conhecer são alguna hábitos que precisamos ter antes de votar. E você? O que faz para mudar o nosso País?”, disse Juliana em sua redação.