Publicado em 18/05/2021 às 12h40.

MPF pede nova suspensão de concurso público da PF por causa da pandemia

Segundo a Procuradoria, a medida visa proteger a saúde de candidatos e de todos os profissionais envolvidos na aplicação de provas

Redação
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

 

 

O MPF (Ministério Público Federal) ingressou com ação na Justiça Federal pedindo para que seja suspensa a aplicação das provas do concurso da Policial Federal marcadas para o próximo domingo (23).

Segundo a Procuradoria, a medida visa proteger a saúde de candidatos, dos profissionais envolvidos na aplicação das provas e da sociedade como um todo diante do grave cenário da pandemia do coronavírus no país.

O concurso da PF já foi adiado uma vez por causa da pandemia. As provas que deveriam ter sido aplicadas em 21 de março foram remarcadas para este domingo. Ao todo são 1.500 vagas para os cargos de escrivão, agente, delegado e papiloscopista da Polícia Federal.

Para o MPF, há possibilidade de que na aplicação da prova da PF sejam repetidas as aglomerações já registradas em outro concurso também organizado pelo Cebraspe (Centro Brasileiro de Pesquisa em Avaliação e Seleção e de Promoção de Eventos).

No pedido, o MPF afirma que o concurso tem 321.014 candidatos inscritos, o que representa risco de “alastramento em larga escala do vírus” e de colapso do sistema de saúde público.

O MPF pede também que o Cebraspe seja intimado a explicitar quais foram as medidas de segurança sanitária adotadas na primeira fase do concurso da PRF (Polícia Rodoviária Federal), realizada em 9 de maio.

A ação ajuizada na Justiça Federal aponta que houve desrespeito às medidas de distanciamento social vigentes em diversos estados, bem como recomendadas pelo Ministério da Saúde. Imagens registradas por candidatos mostraram aglomerações em locais de provas sem qualquer tipo de fiscalização por parte da entidade organizadora.

Este site armazena cookies para coletar informações e melhorar sua experiência de navegação. Gerencie seus cookies ou consulte nossa política.