Publicado em 02/12/2019 às 18h00.

Novo presidente da Biblioteca Nacional associa Caetano Veloso ao analfabetismo

Mesmo posicionamento direcionado à banda Legião Urbana e ao rapper Gabriel O Pensador

Redação
Foto: Reprodução/YouTube
Foto: Reprodução/YouTube

 

Escalado pelo governo de Jair Bolsonaro para ocupar a presidência da Biblioteca Nacional, Rafael Nogueira utiliza seu perfil no Youtube e suas redes sociais para falar sobre o universo do livro e da literatura, além de outros assuntos polêmicos relacionados à política brasileira.

Autointitulado de “aspirante a filósofo” e seguidor de Olavo de Carvalho, ele já chegou a associar, em 2017, o cantor e compositor Caetano Veloso ao analfabetismo, junto com Legião Urbana e Gabriel O Pensador.

“Livros didáticos estão cheios de músicas de Caetano Veloso, Gabriel O Pensador, Legião Urbana. Depois não sabem por que está todo mundo analfabeto”, escreveu.

Além da música, ele também se mostra atento ao audiovisual. Nogueira é próximo da produtora Brasil Paralelo, que se firmou como referência na difusão de ideias de direita no primeiro ano do governo de Jair Bolsonaro.

No seu canal no YouTube, ele incentiva seus seguidores a apoiarem o financiamento coletivo do filme “A Última Cruzada”. A obra, prevista para o ano que vem, promete mostrar eventos que teriam sido negligenciados pela historiografia de esquerda. Além disso, em outro de seus vídeos, ele passa nove minutos atacando um crítico da produtora, a quem define como “um careca que parece uma barriga de chope depilada falando”.

Nogueira assume a Biblioteca Nacional no lugar no lugar de Helena Severo, que colocou o cargo à disposição na sexta-feira (29), em uma carta enviada ao secretário de Cultura, Roberto Alvim. Com informações da Folha de S. Paulo.

PUBLICIDADE