Publicado em 07/11/2019 às 17h35.

O uso da força física e violência no debate político é muito grave, diz Glenn

Americano levou um tapa no rosto após chamar o jornalista Augusto Nunes, repetidamente, de “covarde”

Redação
Foto: Reprodução/TV Cultura
Foto: Reprodução/TV Cultura

 

Agredido pelo jornalista Augusto Nunes nesta quinta-feira (7), o americano Glenn Greeenwald, um dos três fundadores do The Intercept, afirmou que o uso da força física no debate político é próprio do fascismo.

“Esse uso da força física e violência no debate político é uma coisa muito grave. Agora estamos vendo que o movimento do Bolsonaro, Olavo, PSL, está aplaudindo, apoiando o uso da força física e violência no debate político. É um movimento fascista. Fascistas pensam assim”, disse, em vídeo postado no Twitter.

Glenn levou um tapa no rosto após chamar Augusto, repetidamente, de “covarde”. “Primeiramente, queria lembrar como isso começou: seis, oito semanas atrás, na Jovem Pan, o Augusto Nunes disse alguma coisa sobre nossa família, que era a coisa mais feia e suja que ouvi na minha carreira como jornalista. Ele disse que o juiz de menores devia investigar nossa família para determinar se nossos filhos deveriam ser removidos e voltar para o abrigo. Todas as pessoas decentes sabem que você não usa filhos menores contra uma pessoa no debate político”, disse Glenn.

 

 

“Eu disse que ele é covarde, e estou falando isso de novo, porque tem milhões de brasileiros e pessoas no mundo todo, inclusive seus próprios chefes e colegas na Jovem Pan e revista Veja, agora na Record, que também têm filhos e os dois pais trabalham por necessidade financeira ou vontade. Ele nunca falaria isso sobre seus colegas e chefes, ou milhões de brasileiros que trabalham fora de casa e cuidam muito bem de seus filhos. Ele só falou isso sobre nós”, acrescentou o americano, que é casado com o deputado federal David Miranda (PSOL).

PUBLICIDADE