Publicado em 26/06/2016 às 17h30.

PM morto ao reagir a assalto era segurança do prefeito do Rio

"Quero me solidarizar com a família dele. Lamento imensamente a perda de uma pessoa da nossa equipe", disse Eduardo Paes

Luís Filipe Veloso
Foto: Marcelo Fonseca/ Brazil Photo Press
Foto: Marcelo Fonseca/ Brazil Photo Press

 

O tenente da Polícia Militar (PM) Denilson Theodoro de Souza, de 49 anos, morto a tiros na manhã deste domingo (26) após reagir a uma tentativa de assalto no bairro da Pavuna, zona norte do Rio de Janeiro, trabalhava na segurança do prefeito da cidade, Eduardo Paes (PMDB).

O oficial estava acompanhado do cunhado quando foi abordado na Rua Sargento Antônio Ernesto, por volta das 6h. O acompanhante pediu socorro a uma viatura do Batalhão de Policiamento em Vias Expressas (BPVE), que ajudou a família a encaminhá-lo ao Hospital Central da Polícia Militar (HCPM), no Estácio, região central da cidade.

Na fuga, os criminosos abandonaram um veículo nas proximidades da cena do crime. Souza, que trabalhava há 29 anos na PM, estava cedido à Prefeitura do Rio. Agentes da 41º BPM (Irajá) realizaram buscas no local para tentar prender os suspeitos.

Paes divulgou nota à imprensa em que lamenta a morte do tenente. “É muito ruim, muito triste. Quero me solidarizar com a família dele. Lamento imensamente a perda de uma pessoa da nossa equipe e que até este sábado (25) era responsável pela minha segurança”, afirmou o prefeito.

Souza fazia parte da equipe de segurança de Paes há quatro anos. Ele era casado e deixa dois filhos, um adolescente de 16 anos e uma menina de 9 anos.