Publicado em 21/01/2020 às 21h20.

Policiais civis e penais prometem cruzar os braços a partir de segunda (27)

Contrários à reforma Previdência estadual, profissionais se programam para ocupar a Alba dias 27 e 28 de janeiro

Rayllanna Lima

 

Foto: Divulgação/Sinspeb
Foto: Divulgação/Sinspeb

 

Os policiais civis e penais que atuam na Bahia aprovaram estado de greve nesta terça-feira (21) e decidiram cruzar os braços durante 48 horas, a contar das 00h da próxima segunda (27).

Contrários à reforma da Previdência estadual que tramita na Assembleia Legislativa da Bahia (Alba), os profissionais das duas categorias promete paralisar as atividades nos dias 27 e 28 de janeiro para ocupar a casa e encaminhar ao governador Rui Costa (PT) um ofício “exigindo que na PEC 159/20 seja garantido aos Policiais Penais e Civis Pensão Integral, Paridade e Integralidade;  promoção imediata”.

Presidente do Sindicato dos Servidores Penitenciários (Sinspeb), Reivon Pimentel classificou a proposta do governo estadual como “uma perversidade”, visto que não assegura aos policiais civis e penais os mesmos direitos garantidos aos policiais militares.

“Nós, policiais penais, exigimos do governo do Estado um tratamento isonômico em relação à Polícia Militar. Aos policiais militares foi garantido integralidade, paridade, 100% da pensão por morte. […] Caso não atendam nossos pleitos, o único recurso que cabe ao trabalhador é o movimento paredista, é a deflagração da greve. Uma matéria dessa magnitude que vai afetar mais de 500 mil trabalhadores deveria ter sido discutida com o parlamento e com a sociedade civil organizada, e isso não está sendo feito”, disse.

PUBLICIDADE